Bolsonaro indica militar da Saúde para diretoria da Anvisa

·1 minuto de leitura
.
.

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro indicou o tenente-coronel Jorge Luiz Kormann para exercer o cargo de diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) após o término do mandato da farmacêutica Alessandra Bastos, em 19 de dezembro.

O indicado por Bolsonaro terá de ter seu nome sabatinado pelo Senado Federal, que terá de aprová-lo em votação secreta.

A indicação de Kormann --que atualmente ocupa um cargo no Ministério da Saúde, comandada pelo general Eduardo Pazuello-- ocorre no momento em que tem havido forte pressão sobre o órgão regulador acerca dos testes com vacinas contra Covid-19.

Alessandra Soares, que deixará o posto, foi uma das responsáveis para explicar em entrevista coletiva as razões que levaram a agência a suspender temporariamente os testes com a CoronaVac, a vacina da chinesa Sinovac contra o novo coronavírus que será produzida em São Paulo pelo Instituto Butantan.

A vacina da Sinovac virou motivo de disputa acirrada entre Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que são desafetos políticos e frequentemente trocam farpas publicamente. Na manhã de terça, em uma rede social, Bolsonaro comemorou a suspensão dos testes com a CoronaVac, anunciada pela Anvisa na noite de terça, como se fosse uma vitória pessoal sua.

A agência já conta com outro militar em sua diretoria, o diretor-presidente Antonio Barra Torres, que é contra-almirante da Marinha. A diretoria do órgão é composta por cinco diretores.

(Reportagem de Ricardo Brito)