Bolsonaro volta a insistir em cloroquina e manda recado a Teich: “Todos têm que estar alinhados”

Anita Efraim
·2 minuto de leitura
Brazil's President Jair Bolsonaro arrives for a flag raising ceremony outside Alvorada palace, the presidential residence in Brasilia, Brazil, Tuesday, May 12, 2020. The morning ceremony flew Brazil's flag at half mast to mourn those who have died from the new coronavirus. (AP Photo/Eraldo Peres)
Presidente Jair Bolsonaro disse que gostaria que a cloroquina fosse usada no tratamento, caso ele fosse acometido pela Covid-19 (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)

O presidente Jair Bolsonaro voltou a insistir no uso da cloroquina como tratamento para o coronavírus. Nesta manhã, ao sair o Palácio da Alvorada, Bolsonaro afirmou que vai discutir com o ministro da Saúde, Nelson Teich, sobre o uso do medicamento.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Segundo o presidente, a cloroquina precisa ser pensada de forma emergencial no tratamento de pacientes com a Covid-19.

“Não é minha opinião porque não sou médico, mas muito médicos do Brasil e de outros países entendem que a cloroquina pode e deve ser usada desde o início, mesmo sabendo que nao há uma comprovação científica de sua eficácia”, afirmou o presidente.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Bolsonaro ainda disse que gostaria que a cloroquina fosse usada no tratamento da mãe dele, caso ela pegasse Covid-19, e dele mesmo também. "Se fosse minha mãe, com 93 anos, eu vou atrás dela, pego o médico. Claro que não vou forçar, mas tem muitos que concordam com esse tipo de medicamento e ela usaria”, afirmou. "Se eu for acometido eu tomo a cloroquina e ponto final. Eu que decido minha vida. Tenho certeza que não vai faltar médico que vai receitar pra mim a cloroquina"

Leia também

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Em relação ao ministro Nelson Teich, Bolsonaro afirmou que conversarão sobre o tema. O presidente afirmou que gosta que os ministros estejam “afinados”. “Todos têm que estar afinados e, quando conversamos, quero eficácia. Não é gostar. Se existe uma possibilidade de diminuir, por que não usar?”, questionou.

A declaração foi dada um dia após o ministro da Saúde afirmar que a cloroquina tem efeitos colaterais e deve ser usada com cuidado. Teich ainda disse que o paciente que usar o medicamento deverá assinar um termo para garantir que tem ciência das consequências.