Bolsonaro já 'formou' 13,5 mil militares e policiais, comparecendo em média a uma cerimônia por mês

Daniel Gullino
·4 minuto de leitura

BRASÍLIA — Nos dois primeiros anos de mandato, o presidente Jair Bolsonaro participou de 24 formaturas de militares ou policiais — uma média de um evento desse tipo por mês. É uma espécie de zona de conforto para Bolsonaro, onde ele faz discursos de aproximação com as categorias e de defesa do seu governo.

Nessas cerimônias com a presença de Bolsonaro foram formados 13,5 mil pessoas, entre membros das Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica) e das polícias Militar, Federal e Rodoviária Federal.

Foram 13 solenidades desse tipo em 2019 e outras 11 em 2020. Do total, 16 eram das Forças Armadas e oito de polícias. O levantamento levou em consideração cerimônias que abrangem diversos períodos da carreira militar, desde formaturas propriamente ditas a cursos de capacitação. Foram incluídas, por exemplo, entregas de espadim, da qual participam alunos do primeiro ano da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman).

Apesar de ter deixado o Exército há mais de 30 anos — e de ser político durante mais tempo do que foi militar —, Bolsonaro, que é capitão reformado, discursa como se ainda fizesse parte das Forças Armadas, frequentemente falando em “nós” ao referir-se aos militares.

O presidente busca se aproximar dos formandos fazendo paralelos com a sua trajetória. Fez isso, por exemplo, no dia 5 de dezembro, durante evento na Aman, onde estudou:

— Jovens aspirantes do Exército Brasileiro, a emoção que vocês sentem hoje é exatamente igual a minha de há 43 anos — disse. — Me orgulho de ser o primeiro presidente da República eleito pelo voto popular, que passou por esta Academia Militar das Agulhas Negras. A nossa eterna casa.

Na véspera, na Academia da Força Aérea, em Pirassununga (SP), já havia dito algo semelhante:

— Jovens aspirantes, eu me sinto como há 43 anos quando também recebi a minha espada. É um momento ímpar na nossa vida — afirmou. — Muitas das decisões que tomo, em grande parte vêm da passagem que tive ao longo da minha vida, não só de Academia Militar, bem como, ao longo da vida de aspirante, tenente e capitão do Exército Brasileiro.

Não por coincidência, a instituição com mais formaturas acompanhadas por Bolsonaro foi justamente o Exército. Ele compareceu a sete eventos da Força, sendo quatro deles na Aman. Logo atrás vem a Marinha e a Aeronáutica, com quatro eventos cada. Bolsonaro também acompanhou uma formatura do Instituto Militar de Engenharia (IME), vinculado ao Exército.

Em novembro de 2019, durante discurso na Aman, o presidente afirmou que chegou à Presidência “pelas mãos de muitos de vocês”.

Entre as polícias, o presidente compareceu a três solenidades da Polícia Militar (no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Goiás), outras três da Polícia Federal (todas em Brasília) e duas da PRF (em Florianópolis).

A tentativa de aproximação ocorre também com essas categorias. Nos dois eventos da PRF aos quais compareceu, o presidente afirmou que foi um aliado da categoria durante seus mandatos de deputado federal:

— Nos meus 28 anos de parlamentar, andando de carro por grande parte do Brasil, quase todos os postos da PRF que encontrava pela frente eu parava, cumprimentava e trocava uma ideia. Era um simples parlamentar, um deputado conhecido do baixo clero, mas que tinha um coração, e tem ainda, exatamente igual ao de vocês — disse, em outubro de 2019.

No dia 14 de dezembro, durante formatura da Polícia Militar no Rio de Janeiro, Bolsonaro criticou a imprensa e se colocou ao lados dos policiais como supostamente perseguido:

— Não se esqueçam disso, essa imprensa jamais estará do lado da verdade, da honra e da lei, sempre estará contra vocês, pensem dessa forma para poderem agir — declarou. — Mas nós somos persistentes, nós perseguiremos os nossos objetivos, nós sempre estaremos ao lado da verdade e da lei, e de homens de bem, e não de canalhas.

Em dezembro de 2019, na Academia da Força Aérea Brasileira (AFA), o presidente disse estar “mudando o destino” do Brasil:

— Nós recebemos, no corrente ano, um Brasil com problemas éticos, morais e econômicos mas com determinação, com vontade e patriotismo, e com boas pessoas ao nosso lado, estamos mudando o destino do Brasil.

No dia seguinte, durante evento da Marinha no Rio de Janeiro, afirmou que “todos” podiam sentir a mudança no país:

— O governo brasileiro está mudando, todos podem sentir. Hoje temos um governo que valoriza a família, honra os militares, respeita o povo e adora a Deus — discursou.