Bolsonaro já elogiou Hugo Chávez: 'Esperança para a América Latina'

Paulo Lopes/Futura Press

Hoje crítico ferrenho da política na Venezuela, o deputado federal Jair Bolsonaro, pré-candidato à Pré-candidato à Presidência da República, elogiou o ex-presidente Hugo Chávez durante uma entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo em 1999. 

À época, Bolsonaro afirmou que a chegada de Chávez ao poder era uma  “esperança para a América Latina”. O deputado ainda classificou o venezuelano, morto em 2013, como uma “pessoa ímpar”, afirmou que “gostaria muito que sua filosofia chegasse ao Brasil” e disse que não era anticomunista.

Na entrevista, realizada meses após Chávez assumir o poder pela primeira vez, Bolsonaro disse acreditar que ele faria no país vizinho o que os militares fizeram no Brasil em 1964, com muito mais força. “Ele não é anticomunista e eu também não. Na verdade, não tem nada mais próximo do comunismo do que o meio militar. Nem sei o que é comunismo hoje em dia.”

Na ocasião, o deputado também disse que gostaria de ir à Venezuela para tentar conhecer Chávez, a quem considerava não um ditador comunista, como hoje, mas uma figura “ímpar”. “Quero passar uma semana lá e ver se consigo uma audiência.”

Depois de a internet desenterrar a entrevista concedida há 18 anos, Bolsonaro classificou o ato como “jogo sujo”. 

“Como sempre falamos: Eles têm tudo, mas nós temos vocês e diariamente teremos de desarmar uma bomba montada, enquanto os corruptos nadam de braçada! Mas vamos até o fim! Há algo maior que eleição em jogo: a derrubada cultural da hegemonia de esquerda no Brasil”, escreveu o parlamentar.

O presidenciável também postou um vídeo nas redes. Gravado ano passado, ele usa a ironia para dizer que Chávez não fez como “os esquerdinhas Lula, Dilma e Genuíno”, que escolheram o Sírio-Libanês para se tratarem, mas foi se tratar em Cuba, que “tem a melhor medicina do mundo”. E continua: “E morreu. Parabéns, Chávez, prepare o inferno para receber os líderes comunistas do nosso Brasil.”