Bolsonaro manifesta preocupação com escalada da violência no Chile

GUSTAVO URIBE
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 01.08.2019: O presidente Jair Bolsonaro durante coletiva no Palácio do Planalto. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

TÓQUIO, JAPÃO (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro manifestou preocupação, nesta segunda-feira (21), com a escalada da crise política no Chile, que já deixou ao menos sete mortos, e disse ser grato ao presidente Sebastian Piñera.

Ele lembrou que a autoridade chilena o ajudou durante a reunião do G7, em agosto, quando ele ajudou a mediar uma crise diplomática entre Brasil e França após a série de queimadas na Amazônia.

Em caminhada pela região central de Tóquio, primeiro destino de uma viagem de mais de dez dias pelo continente asiático, o presidente não quis responder, no entanto, se entrará em contato com Piñera ou se é contra o movimento popular no país vizinho.

A onda de manifestações e confrontos no Chile, que começou na capital Santiago, se espalhou por diversas partes do país, mesmo após Piñera ter cancelado o aumento nas tarifas de metrô, estopim para a crise atual. 

A decisão não foi suficiente para acalmar os manifestantes, que tomaram as ruas da capital e de outras cidades importantes, incluindo Valparaíso e Concepción, todas sob toque de recolher.

O governo chileno ainda não informou se a medida será mantida nessa segunda. Apesar do decreto e da mobilização de quase 10 mil militares ajudando na segurança, os distúrbios continuaram. 

Esta é a primeira vez que o governo chileno mobiliza o Exército nas ruas desde o fim da ditadura de Augusto Pinochet, em 1990.

Bolsonaro chegou nesta segunda ao Japão, onde ficará três dias. Além da cerimônia de ascensão do imperador Naruhito, na terça-feira (22), ele terá reuniões bilaterais com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, e com o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, e encontros com empresários brasileiros e japoneses.

Após Japão, o presidente visitará China, Arábia Saudita, Emirados Árabes e Catar. Nos demais países, o foco será melhorar a relação comercial com as nações asiáticas e aumentar o comércio de de proteína animal.