Bolsonaro marca entrevista presencial, enquanto Ministério da Saúde faz coletiva online

Daniel Gullino

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro marcou uma entrevista coletiva presencial no Palácio do Planalto para a tarde desta quarta-feira, para tratar sobre o novo coronavírus. A Secretaria de Comunicação Social (Secom) anunciou que ministros também irão participar, mas não revelou quais nem quantos. Enquanto isso, o Ministério da Saúde passou a realizar pela internet, desde terça-feira, as entrevista coletivas diárias de atualização de novos casos.

A divergência ficou evidenciada em um comunicado que o Ministério da Saúde divulgou, para falar de três coletivas sobre o coronavírus que serão realizadas nesta quarta-feira: a de Bolsonaro, marcada para 14h30 no Palácio do Planalto; a do Ministério da Saúde, marcada para 16h na sede da pasta; e uma terceira do ministério e do governo do Pará, marcada para 15h30 em Belém, sobre a capacitação de laboratórios públicos para realização de testes. O texto diz que, "seguindo recomendações de evitar contato social para diminuir a transmissão do coronavírus no Brasil, o Ministério da Saúde realiza as coletivas de imprensa para atualização da situação nacional por meio online".

As recomendações não são mencionadas na divulgação das outras duas coletivas. No balanço divulgado na terça-feira pelo ministério, o Distrito Federal tinha 22 casos, enquanto o Pará não tinha nenhum.

Em seu balanço diário de novos casos, o Ministério da Saúde passou desde terça-feira a permitir somente a entrada de cinegrafistas e fotógrafos. Ainda assim, a pasta ressalta que a Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) transmite a entrevista, e que por isso as emissoras podem optar por não enviar cinegrafistas. As perguntas são feitas por meio de um grupo de WhatsApp.

Na terça-feira, o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, anunciou que as reuniões do comitê de crise montado para monitorar a situação do coronavírus — grupo que reúne representantes de 27 órgãos — passariam a ser feitas preferencialmente por videoconferência.

Estava prevista para a tarde desta quarta-feira uma reunião do Conselho de Ministros, que reúne periodicamente todos os ministros do governo federal, mas o encontro foi cancelado. A Secom não informou o motivo. O cancelamento ocorreu após o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, anunciou que recebeu um diagnóstico positivo para o coronavírus. O ministro ainda aguarda uma contraprova.