Bolsonaro minimiza impacto de crise EUA-Irã no preço dos combustíveis

(Arquivo) O presidente Jair Bolsonaro minimizou nesta segunda-feira o impacto da crise entre Estados Unidos e Irã nos preços dos combustíveis locais

O presidente Jair Bolsonaro minimizou nesta segunda-feira o impacto da crise entre Estados Unidos e Irã nos preços dos combustíveis locais, e estimou que a tendência atual aponta para a estabilização de tarifas.

"Eu reconheço que o preço está alto na bomba. Graças a Deus, pelo que parece, a questão lá (...) o impacto não foi grande. Foi 5% e passou para 3,5%", afirmou aos jornalistas.

"Não sei quanto está hoje a diferença em relação ao dia do ataque. Mas a tendência é estabilizar", acrescentou, referindo-se ao ataque americano que matou o general iraniano Qassem Soleimani na sexta-feira.

Apesar do aumento do petróleo nos mercados internacionais, o presidente descartou por ora qualquer intervenção na política tarifária de combustíveis.

Bolsonaro, por outro lado, reiterou o compromisso do Brasil na luta contra o terrorismo e seu apoio ao colega americano Donald Trump, que, segundo ele, será reeleito em 3 de novembro.

"Trump vai ser reeleito, alguém tem dúvida disso? Vai ser reeleito. O país está indo muito bem, muito bem. Desemprego lá embaixo, a economia bombando, exercendo seu poder de persuasão no mundo todo. Graças a Deus tem os Estados Unidos, que estão fazendo tudo isso. Deus está no controle. Tem certos países, não vou falar qual, que se tiver artefatos nucleares e meios para lançá-los, o mundo todo entra em instabilidade. Todos vão sofrer, sem exceção", conclui.