'Bolsonaro não era ninguém, ele bateu na minha porta pedindo ajuda', diz Joice Hasselmann

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Agência Brasil
Agência Brasil

A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), ex-aliada da base bolsonarista do governo, afirmou, em entrevista à TV Bandeirantes nesta quinta-feira (3), que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) “bateu em sua porta pedindo ajuda”.

“Quando comecei a apoiar o presidente ele não era ninguém. Tinha 3% de apoio. Ele bateu na minha porta pedindo ajuda. Eu não entrei na onda Bolsonaro, nós criamos essa onda juntos, mas o presidente acabou rompendo com bandeiras como o combate contra a corrupção”, disse.

Hasselmann, que se elegeu ao fazer campanha ao lado de Bolsonaro, também definiu sua saída da base aliada ao presidente como “pesada”.

“Foi uma saída pesada. Eu não me arrependi do apoio porque eu estava na luta para tirar o PT do poder, mas comecei a ver coisas acontecendo dentro do governo que iam contra as bandeiras que eu defendia”, avaliou.

Leia também:

A deputada, que oficializou na semana passada que será a candidata do PSL à Prefeitura de São Paulo, ainda foi questionada sobre suas intenções para a maior cidade brasileira.

Hasselmann cravou que é “preciso coragem para enfrentar as máfias da Prefeitura de São Paulo”.

“Não adianta ter alguém que faz discurso bonitinho sem coragem de encarar essas máfias. Hoje tem muita máfia envolvida nos serviços públicos, alguns tem até o PCC por trás. Tem que ter coragem para enfrentar isso”, disse.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos