Bolsonaro nega acusações contra Anvisa, mas mantém crítica à vacinação infantil

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Jair Bolsonaro
    38.º presidente do Brasil
SAO PAULO, BRAZIL - JANUARY 5: Brazilian president Jair Bolsonaro speaks press at the Hospital Vila Nova Star, during his discharge in Sao Paulo, Brazil, on January 5, 2022. The president had been hospitalized since Monday (3), for treatment of an intestinal obstruction. (Photo by Marcelo Goncalves/Anadolu Agency via Getty Images)
Jair Bolsonaro criticou a possibilidade de Anvisa aprovar a CoronaVac para crianças (Foto: Marcelo Goncalves/Anadolu Agency via Getty Images)
  • Bolsonaro negou que tenha acusado a Anvisa de corrupção

  • Segundo o presidente, nota de Antonio Barra Torres foi "agressiva"

  • Bolsonaro criticou a possível liberação da CoronaVac para crianças

O presidente Jair Bolsonaro (PL) negou que tenha acusado a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de corrupção. Segundo Bolsonaro, a carta de Antonio Barra Torres, presidente da agência, foi agressiva e não tinha motivo para tal. Ao mesmo tempo, o presidente manteve a posição de criticar a vacinação de crianças.

“Me surpreendi com a carta dele. Carta agressiva. Não tinha motivo para aquilo. Eu falei: 'o que está por trás do que a Anvisa vem fazendo?'. Ninguém acusou ninguém de corrupto”, disse Jair Bolsonaro em entrevista à rádio Jovem Pan.

“O que que está por trás? Quais segundas intenções, quais outras intenções da Anvisa? Não houve da minha parte nenhuma acusação, a palavra corrupção não saiu nenhum momento. E ele [Barra Torres] resolveu fazer uma nota bastante agressiva”.

A declaração de Bolsonaro foi feita dois dias depois de Barra Torres divulgar uma nota, cobrando que o presidente da República se retratasse por atacar a Anvisa.

Mesmo após negar que acusasse a Anvisa, Bolsonaro fez insinuações sobre a agência, além de ter criticado a possível liberação da CoronaVac para crianças, em avaliação pela agência.

“Eu não quero dizer aqui, acusar a Anvisa de absolutamente nada, agora que tem uma coisa acontecendo, isso não há a menor dúvida que vem acontecendo. Pode ver, pelo que estou sabendo agora, não é segredo pra ninguém, Anvisa vai deliberar sobre a CoronaVac para crianças a partir de 3 anos de idade, eu não sei o que acontecerá no final, mas Anvisa vai tomar sua posição. E, de uma forma ou de outra, vai sofrer críticas também.”

A Anvisa aprovou o uso da vacina pediátrica da Pfizer em 16 de dezembro. A resistência dentro do governo federal foi grande, levando a uma demora para a aquisição dos imunizantes. As primeiras doses devem chegar ainda esta semana e, em janeiro, o Brasil vai receber 4,3 milhões de doses. No total, o país adquiriu 20 milhões de doses da Pfizer, metade do contingente necessário para vacinar todas as crianças de 5 a 11 anos. 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos