Bolsonaro nega pressão e fala em 'esclarecimento' em texto do Exército sobre vacinação

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***SOROCABA, SP, 25.06.2021 - O presidente Jair Bolsonaro (PL) durante a inauguração do Centro de Excelência em Tecnologia 4.0, no Parque Tecnológico de Sorocaba, no interior paulista. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)
***ARQUIVO***SOROCABA, SP, 25.06.2021 - O presidente Jair Bolsonaro (PL) durante a inauguração do Centro de Excelência em Tecnologia 4.0, no Parque Tecnológico de Sorocaba, no interior paulista. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro disse neste sábado (8) não ter exigido à Defesa mudança nas diretrizes estabelecidas pelo Exército de condicionar o retorno de militares ao trabalho presencial à vacinação contra à Covid-19.

O chefe do Executivo, egresso das Forças Armadas, é crítico às vacinas e diz não ter se vacinado. O temor de mais uma crise com ele fez o Exército cogitar um esclarecimento público sobre as diretrizes estabelecidas pelo comandante da Força, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira.

"Não, [tem] exigência nenhuma. Não tem mudança. Pode esclarecer. Hoje tomei café com o comandante do Exército. Se ele quiser esclarecer, tudo bem, se ele não quiser, tá resolvido, não tenho que dar satisfação para ninguém de um ato como isso daí. É uma questão de interpretação", afirmou Bolsonaro.

O mandatário falou a jornalistas em frente à casa do advogado-geral da União, Bruno Bianco, onde o ministro dava uma festa para comemorar seu aniversário de 40 anos.

A orientação do comandante sobre a imunização está num documento finalizado na última segunda-feira (3), com diretrizes para prevenção e combate à pandemia.

Oliveira listou 52 diretrizes a serem seguidas por órgãos de direção e comandos militares de área. A vacinação contra a Covid-19 é tratada numa única diretriz, a de número 22.

A diretriz propõe "avaliar o retorno às atividades presenciais dos militares e dos servidores, desde que respeitado o período de 15 dias após imunização contra a Covid-19 (uma ou duas doses, dependendo do imunizante adotado)".

O comandante, porém, faz uma ressalva: "Os casos omissos sobre cobertura vacinal deverão ser submetidos à apreciação do DGP, para adoção de procedimentos específicos." Não há um detalhamento sobre o que pode ser tratado como caso omisso ou sobre procedimentos a serem adotados.

A Folha mostrou em reportagem publicada no último dia 24 que Exército, Aeronáutica e Marinha permitem que militares da ativa deixem de se vacinar contra a Covid-19, embora haja obrigatoriedade estabelecida para imunização contra febre amarela, tétano, hepatite B e outras doenças.

A desobrigação se estende a missões militares dentro e fora do país e a inspeções de saúde. No Exército, o entendimento é que não há uma lei que obrigue a vacinação contra a Covid-19 e que existe incentivo à imunização por parte de comandantes de tropas.

Galeria O presidente Jair Bolsonaro em 2022 Alguns dos principais momentos do presidente no quarto ano de mandato https://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/1721076986192168-o-presidente-jair-bolsonaro-em-2021#foto-1721421919489775 *** O responsável por materializar a dispensa da obrigação de vacinação contra a Covid-19 foi o general Fernando Azevedo e Silva, demitido do ministro da Defesa por Bolsonaro em 2020.

O gabinete de Azevedo atualizou o calendário de vacinação militar em 4 de novembro de 2020.

A portaria estabelece a obrigatoriedade tanto de vacinas específicas quanto de periodicidade de imunização. Esses imunizantes são necessários para matrícula em cursos no sistema de ensino das Forças Armadas e para aptidão ao serviço ativo a partir das inspeções de saúde. Covid-19 ficou fora da lista.

O presidente também comentou neste sábado (8) a respeito da reforma ministerial prevista para o final de março, quando os ministros deixarem seus cargos para concorrer nas eleições. O prazo de desincompatibilização é abril.

"Vou fazer aí no final de março. Doze [ministros] devem sair, mas acho que dificilmente saem antes da hora. Vou querer que saiam um dia antes do limite máximo. Já começamos a pensar em nomes, alguns já estão mais do que certos", disse Bolsonaro.

O mandatário, contudo, disse que não iria citar eventuais sucessores da Esplanada. "Não quero falar agora (dos nomes de substitutos), porque vai começar uma ciumeira: por ele e não eu? E ciúme de homem é pior do que mulher".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos