'Bolsonaro nos traiu', diz policial que agora lidera manifestações contra presidente

Felipe Souza - @felipe_dess - Da BBC News Brasil em São Paulo
·6 minuto de leitura
Dovercino Neto
Porta-voz da União de Policiais do Brasil disse que Bolsonaro traiu a categoria

"Fiz campanha, falei para os meus amigos e família votarem no Bolsonaro porque ele ajudaria nossa categoria, seria a favor da segurança e contra a corrupção. A gente se mobilizou, buscou voto. Tudo isso caiu porque ele não nos enxergou depois de eleito, não nos considerou. Para ele, a gente não existe."

Foi assim que o presidente da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) e um dos líderes da União de Policiais do Brasil, Dovercino Neto, resumiu a insatisfação dele em relação ao governo de Jair Bolsonaro em entrevista à BBC News Brasil. De apoiador do presidente durante a campanha à presidência, hoje ele diz que se sente traído e ameaça uma paralisação nacional da categoria nos próximos dias.

"Na campanha, o Bolsonaro tinha um perfil e posicionamento a favor do policial, de valorizar e defender a categoria. A grande maioria dos policiais acreditou nesse discurso. Mas, na primeira oportunidade, ele nos traiu ao nos incluir na Reforma da Previdência", afirmou Neto.

Para ele, o segundo golpe veio com a aprovação nesta quinta-feira (11/03) da PEC Emergencial — alteração da Constituição que prevê recursos para a volta do auxílio emergencial, mas estabelece também o congelamento dos salários dos servidores públicos sempre que as despesas do governo Federal e de Estados e municípios ultrapassarem certos limites.

Críticos da mudança dizem que as novas regras poderão congelar salários de diversas categorias, inclusive de policiais, por até 15 anos. Isso acontecerá se os gatilhos foram imediatamente acionados e se perdurarem até 2036, quando acaba o Teto de Gastos. O início do congelamento, porém, pode variar segundo diferentes categorias de servidores e a depender da evolução das contas de União, Estados e municípios.

Projeções da Instituição Fiscal Independente indicam que, no caso dos servidores do Executivo Federal, o gatilho só será acionado em 2025. No entanto, 14 Estados já podem ser imediatamente afetados, considerando as contas públicas desses entes em 2019 (a análise não foi feita com os números de 2020 por ser um ano atípico de pandemia). São eles Bahia, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins.

Dovercino Neto
Dovercino Neto conta que se mobilizou a favor de Bolsonaro durante a campanha presidencial, buscando votos com familiares, amigos e colegas de profissão

Para a União de Policiais do Brasil, o texto "desestrutura o serviço público" ao vedar aumentos salariais e novas contratações por um longo período.

A Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) também reagiu e disse que a aprovação do texto pode levar a "categoria a um apagão nas próximas horas".

Dovercino Neto, da União de Policiais do Brasil, conta que se mobilizou a favor de Bolsonaro durante a campanha presidencial. Buscou votos com familiares, amigos e colegas de profissão, mas que hoje "tudo isso caiu".

"Ele chegou a dar declarações públicas e se reuniu com a gente para dizer que nos beneficiaria na reforma, assim como fez com as Forças Armadas. Mas mentiram para nós. Fizemos três reuniões, uma delas com o então ministro (Abraham) Weintraub, e nos disseram que estaríamos fora do texto, mas no fim estávamos lá", afirmou.

Para um dos líderes dos protestos de policiais contra Bolsonaro, o presidente não valorizou os policiais civis, beneficiando apenas as Forças Armadas e a Polícia Militar.

"Ele defendeu bravamente os militares. Ao invés de perderem direitos, os militares de alta patente foram extremamente beneficiados com aumentos generosos de salários na Reforma da Previdência. O governo disse na época que queria economizar, mas fez o inverso nas Forças Armadas. Para ele (Bolsonaro), segurança pública é só militar e a segurança pública civil não existe", disse Neto.

"Lockdown na segurança pública"

Para a União de Policiais do Brasil, a gota d'água que desencadeou uma irritação generalizada da categoria contra o presidente foi a aprovação da PEC Emergencial.

Neto diz que isso deixou a categoria insatisfeita, desanimada e diz que isso deve provocar uma reação instantânea nas ruas como reflexo do descontentamento com a decisão.

Dovercino Neto
"Vamos fazer um lockdown na segurança pública", disse presidente da FenaPRF

"Nós nos esforçamos e trabalhamos muito mais por causa da covid no último ano. Essa atitude do governo nos leva à desmotivação. O pessoal foi ignorado. Fazem de conta que não existimos. Aquele risco a mais que a gente corria (nas ruas) com certeza vai parar, na segurança pública civil, federal e estadual. Vamos fazer um lockdown na segurança pública. Vamos fazer o básico. Não vamos dar o sangue, ter aquele empenho adicional. Não vamos fazer uma operação padrão. Tudo isso acontecerá de forma natural", afirmou Neto.

O presidente da FenaPRF disse que, como cidadão, ele e grande parte da categoria apoiaram a campanha de Bolsonaro. Mas afirma que "hoje só temos resquícios de um ou outro que apoia".

"Bolsonaro foi uma grande decepção. Essa é a PEC da chantagem. Auxílio emergencial tudo bem porque os mais pobres precisam de ajuda. Mas colocar uma PEC de reforma fiscal dizendo que era por causa do auxílio não existe. Alguns culpam o Paulo Guedes, mas ele é só um funcionário do Bolsonaro. Ele interferiu para atender os PMs, mas nós policiais civis fomos abandonados e traídos", afirmou à BBC News Brasil.

Para ele, nenhum policial de segurança pública civil tem motivo para apoiar Bolsonaro.

"O governo está no Congresso trabalhando contra nós. (...) O filho do Bolsonaro votou contra a gente no Senado. Na Câmara, o outro filho também. Não tem motivo para que nossas categorias fiquem de lua de mel com ele. Nessa PEC emergencial, tentamos emendas e destaques, mas só os policiais militares foram atendidos", afirmou.

O porta-voz do movimento de policiais anti-Bolsonaro afirmou que entende o momento econômico vivido pelo país e disse que não quer um aumento salarial para a categoria, mas apenas uma garantia de qualidade de trabalho a longo prazo.

"Querem congelar a previsão de você poder pedir aumento até 2035. Também barram concurso, contratações, gastos estruturais. Tudo isso nos atinge. É a fragilização e depreciação do nosso trabalho", disse ele.

Por fim, ele se disse irritado porque o vice-presidente, Hamilton Mourão, dizer que os policiais incluídos na PEC precisam dar uma "cota de sacrifício".

"Por que os militares não deram essa cota até agora? A alta patente do Exército, como ele, teve ganhos salariais e não se sacrificou. Essa declaração dele foi uma ofensa contra nós. A gente teve redução salarial e eles, aumento. Por que eles não dão exemplo?"

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!