Bolsonaro perde de Haddad em regiões mais violentas

Presidenciável pelo PSL, Jair Bolsonaro, em um dos poucos debates que participou. (Foto: Guilherme Rodrigues/Futura Press)

Contrário ao discurso de Jair Bolsonaro (PSL), levantamento do Valor Econômico mostra que o capitão reformado do Exército, cujo tema favorito é segurança pública, foi pior no primeiro turno nas regiões brasileiras mais violentas. Nos locais, Fernando Haddad (PT) e até Ciro Gomes (PDT) tiveram um desempenho bem melhor.

Para chegar a essas conclusões, a reportagem do Valor agrupou os mais de 5,5 mil municípios brasileiros, conforme a taxa de homicídio, por 100 mil habitantes de cada localidade. De maneira geral, quanto menos violento o município, melhor foi o desempenho do candidato do PSL.

O primeiro grupo estudado é formado pelas 61 cidades mais violentas do Brasil com 100 homicídios por 100 mil habitantes em 2016. São municípios pequenos com média de 27 mil habitantes, onde estão 1,7 milhão de brasileiros. Os resultados foram os seguintes: Haddad teve 48,1% dos votos válidos e Bolsonaro conseguiu 31%.

A cidade mais violenta do Brasil, São João do Jaguaribe, no Ceará, tem 7,6 mil habitantes e foi palco de 18 homicídios, em 2016, com a taxa de 235 homicídios por 100 mil. Lá, Bolsonaro ficou em terceiro com apenas 11% dos votos. O ex-governador do estado, Ciro Gomes, aparece no topo com 45% contra Haddad com 41%.

LEIA MAIS:
Estudante é agredido em Curitiba, e universidade vê aparente
Mulher é agredida por se negar a votar em Bolsonaro em Belo Horizonte

O grupo seguinte é o dos municípios com taxas igualmente altíssimas de violência, mas num patamar levemente abaixo da extremidade (80 a 99 homicídios/100 mil habitantes). É um universo um pouco maior, que reúne 92 municípios e 4,1 milhões de pessoas, e onde a criminalidade é igualmente crescente. Nesse conjunto, Haddad também terminou na frente de Bolsonaro, mas com vantagem mais apertada: 40,3% a 35,6%.

O segmento intermediário é o das cidades que registraram algo entre 50 e 79 homicídios/100 mil habitantes. E é, justamente, o agrupamento em que a disputa Bolsonaro versus Haddad ficou mais equilibrada, desta vez, com ligeira vantagem para o deputado: 39,9% a 36,1% para o petista. No conjunto desses municípios, a média de 61 homicídios/100 mil habitantes não mudou entre 2014 e 2016.

Bolsonaro obteve significativa vantagem sobre seus rivais nas localidades menos violentas e que registraram queda da criminalidade no período recente. Ele teve 47,2% dos votos no numeroso conjunto de 2.726 municípios com algo entre 10 e 49 homicídios/100 mil habitantes, onde, inclusive, está a maior parte da população: 136,6 milhões de pessoas.

E teve um desempenho ainda melhor no agrupamento daquelas que podem ser consideradas as 2.082 cidades mais seguras do país (com taxa abaixo de 10 homicídios/100 mil – locais onde não há situação de “violência epidêmica” no critério da Organização Mundial da Saúde).