Bolsonaro prevê a maior deflação desde o Plano Real; entenda

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Comentário foi feito em entrevista ao SBT (REUTERS/Adriano Machado)
Comentário foi feito em entrevista ao SBT

(REUTERS/Adriano Machado)

  • Bolsonaro prevê a maior deflação desde o Plano Real;

  • Índice negativo deve ser verificado nos preços administrados;

  • Presidente também comentou sobre o preço do dólar e dependência externa de fertilizantes.

O presidente Jair Bolsonaro disse, nesta terça-feira (2), que o país deve verificar a maior deflação desde o Plano Real - termo que aponta a queda do preço de produtos e serviços por meio do combate à inflação. A previsão foi feita em entrevista ao SBT.

Segundo Bolsonaro, a população deve sentir a redução na conta de luz ainda neste mês. Apesar do chefe do executivo não ter especificado o índice ao qual se referiu ao falar sobre deflação, estima-se que o índice negativo deve ser verificado somente nos preços administrados, aqueles que são reajustados por contratos ou pelo setor público, como energia elétrica e combustível. Ambos se tornaram o foco de medidas tributárias criadas para reduzir seus respectivos preços.

Caso a projeção de Bolsonaro se confirme, esta será a primeira deflação anual do Plano Real nos itens administrados. Os cálculos se baseiam na série histórica do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), consultada pela ASA Investment. Já a estimativa do mercado para o IPCA de 2022 é de uma alta de 7,15%, acima da meta de inflação.

Dólar e dependência externa

Durante a entrevista, Bolsonaro disse que o dólar não tem subido no Brasil devido à suposta responsabilidade fiscal do governo. Entretanto, a informação não se confirma: A moeda norte-americana comercial apresentou alta de 1,94% nesta terça-feira (2) e chegou aos R$ 5,279 devido a fatores externos, como a tensão entre Estados Unidos e China.

Além disso, o presidente afirmou que tem estudado retirar fertilizantes de algas marinhas, de forma a diminuir a dependência que o Brasil tem do mercado internacional para conseguir os insumos. Não foram dados outros detalhes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos