'Que responda pelos atos dele', diz Bolsonaro sobre prisão de Milton Ribeiro

Presidente Jair Bolsonaro e ex-ministro Milton Ribeiro (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Presidente Jair Bolsonaro e ex-ministro Milton Ribeiro (Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

O presidente Jair Bolsonaro (PL) falou em entrevista à rádio Itatiaia nesta quarta-feira (22) sobre a ordem de prisão contra o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro. Segundo ele, Ribeiro deve responder pelos atos dele.

“Se tem prisão, é Polícia Federal, é sinal de que a Polícia Federal está agindo. Ele responda pelos atos dele. Peço a Deus que não tenha problema nenhum. Mas, se tem algum problema, a PF está agindo, está investigando, é um sinal que eu não interfiro na PF, porque isso aí vai respingar em mim, obviamente", afirmou Bolsonaro.

A PF deflagrou na manhã de hoje a operação Acesso Pago contra o ex-ministro e pastores suspeitos de operar um balcão de negócios no Ministério da Educação (MEC) e na liberação de verbas do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação).

A corporação também também cumpre mandados de busca e apreensão em endereços de Ribeiro e dos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos — esses dois últimos são ligados ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e apontados como lobistas que atuavam no MEC.

Os pastores são peças centrais no escândalo do balcão de negócios do ministério. Como mostrou o jornal Folha de S. Paulo, eles negociavam com prefeitos a liberação de recursos federais mesmo sem ter cargo no governo.

Em março, Bolsonaro chegou a dizer que “colocaria a cara no fogo” pelo aliado. A declaração foi dada durante uma das transmissões ao vivo do presidente, mesmo mês no qual Ribeiro deixou o Ministério da Educação após suspeitas de lobby de pastores evangélicos na pasta.

Milton Ribeiro foi o quarto ministro da Educação apenas no governo Bolsonaro, sendo substituído após a saída por Victor Godoy Veiga, que assumiu em 29 de março e segue no cargo.

Em seus quase dois anos à frente da pasta, o pastor da Igreja Presbiteriana, teólogo e advogado colecionou crises e polêmicas, como quando disse que alunos com deficiência “atrapalham” o aprendizado de outras crianças em sala de aula.