Bolsonaro propõe fundão eleitoral de R$ 2,1 bilhões no próximo ano

·3 minuto de leitura
****ARQUIVO***BRASILIA, DF, 30.07.2021 - O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado dos ministros Ciro Nogueira (gravata amarela) (Casa Civil) e Carlos França (óculos) (MRE), recebe o presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, em visita oficial ao Brasil. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
****ARQUIVO***BRASILIA, DF, 30.07.2021 - O presidente Jair Bolsonaro, acompanhado dos ministros Ciro Nogueira (gravata amarela) (Casa Civil) e Carlos França (óculos) (MRE), recebe o presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, em visita oficial ao Brasil. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) propôs que o fundo eleitoral de 2022 receba R$ 2,1 bilhões. O valor é menor que o patamar defendido por caciques partidários, que chegaram a aprovar R$ 5,7 bilhões para o financiamento de campanhas no próximo ano.

Em uma articulação de partidos de diferentes campos políticos, o Congresso aprovou uma regra pela qual o fundo eleitoral teria, no mínimo, R$ 5,7 bilhões em 2022. Bolsonaro vetou a medida.

Aliados do presidente negociam um valor intermediário, algo entre R$ 4 bilhões e R$ 4,5 bilhões. Ainda assim, o patamar é bem acima do que foi usado no pleito de 2018 e 2020 -ambos na faixa de R$ 2 bilhões.

A área econômica do governo defende o patamar de R$ 2,1 bilhões, como previsto no projeto de Orçamento de 2022, apresentado nesta terça-feira (31) pelo Ministério da Economia.

No entanto, essa é apenas mais uma fase das tratativas sobre o tamanho do fundo de financiamento das campanhas. O Congresso tem o poder de remanejar o dinheiro na proposta de Orçamento e, com isso, destinar mais recursos para o caixa dos partidos no ano eleitoral.

O uso de dinheiro público para financiar campanhas eleitorais opõe grupos de sustentação de Bolsonaro. Para a base ideológica, ele precisa sinalizar contra o fundo. Ao centrão, coalizão de partidos que passou a integrar a base do governo após a liberação de cargos e emendas, o presidente precisa garantir recursos para a eleição.

O valor de R$ 2,1 bilhões proposto no Orçamento de 2022 apenas corrige o tamanho do fundo de anos anteriores pela inflação, como queria a equipe do ministro Paulo Guedes (Economia).

O número, porém, contraria as expectativas do Congresso. Líderes partidários querem insistir no valor de R$ 5,7 bilhões ou de, pelo menos, R$ 4 bilhões.

Para sustentar uma ampliação tão significativa no fundo, partidos políticos argumentam que a eleição de 2022 demanda mais dinheiro, pois há um número maior de candidatos.

Além disso, caciques partidários argumentam que o aumento do fundo eleitoral seria bancado com emendas parlamentares --instrumento para que deputados e senadores coloquem verba em programas e projetos de seu interesse.

O projeto de Orçamento de 2022 prevê R$ 16,2 bilhões em emendas, mas esse valor deve subir.

Hoje existem quatro tipos de emendas: as individuais (que todo deputado e senador tem direito), as de bancada (parlamentares de cada estado definem prioridades para a região), as de comissão (definida por integrantes dos colegiados do Congresso) e as do relator (criadas por congressistas influentes a partir de 2020 para beneficiar seus redutos eleitorais).

O governo reservou R$ 10,5 bilhões para emendas individuais em 2022. Para as de bancada, são R$ 5,7 bilhões.

Ainda não há na proposta de Orçamento um valor reservado para os outros dois tipos de emendas parlamentares, pois geralmente elas ganham corpo durante a discussão dos gastos para o próximo ano.

Nos últimos anos, o Congresso tem conseguido elevar o volume de emendas para o patamar de R$ 35 bilhões, principalmente por causa das emendas de relator.

No debate para o Orçamento de 2022, líderes do Congresso querem insistir no controle de mais verba federal em ano de eleição, mas avaliam mudanças no mecanismo que tem sido criticado por órgãos de controle por falta de transparência.

No governo de Jair Bolsonaro, a engenharia para que congressistas tenham mais espaço no Orçamento ganhou um novo dispositivo, as chamadas emendas de relator. Isso permitiu que, desde o ano passado, deputados e senadores com mais poder político e, geralmente, articulação com o governo consigam destinar mais dinheiro para obras e projetos em suas bases eleitorais.

O TCU (Tribunal de Contas da União) quer mais transparência nesses gastos.

Para evitar desgaste, governistas defendem mudanças nesse mecanismo, pelo qual valores bilionários são rateados entre vários congressistas a depender dos acordos políticos firmados.

O governo Bolsonaro chegou a anunciar que vetaria a possibilidade de criação de emendas de relator em 2022. No entanto, o presidente recuou após articulação de integrantes do centrão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos