"Bolsonaro quer um país pobre, triste, assustado, violento e preconceituoso"

Bolsonaro não tem propostas, tem desejos. Deseja o caos para falar do caos. E é por isso que ele não faz nada. Pois se algo melhorar ele perde o palco.

Arte: Daniel Caseiro.

Por Martel Alexandre del Colle, policial militar 

 

Domenico de Masi lançou, em 2013, a obra intitulada O Futuro Chegou. Basicamente, o livro procura examinar vários exemplos de formas de organização das sociedades modernas. O autor apresenta o modelo econômico e social de alguns países que se destacavam no cenário global da época. China e Estados Unidos da América, por exemplo. Em outros capítulos, ele retrata o modo de produção capitalista, alguns exemplos de capitalismo mais social, comunismo e mais. A ideia de Domenico é apresentar pontos fortes e fracos de cada modelo e, no capítulo final, mostrar qual seria o melhor modelo para as sociedades do futuro.

Domenico de Masi é um sociólogo italiano. E é importante saber da nacionalidade do autor para entender o peso do capítulo final do livro. Após apresentar os modelos mais relevantes e conhecidos de nossa época e épocas passadas, Domenico apresenta o que para ele era o modelo mais avançado de sociedade e que deveria ser um sul (não gosto dessa visão de norte sempre sendo o referencial positivo) para todos os países do mundo. Domenico apresenta o Brasil. O Brasil de 2013.

Na visão do autor, o Brasil era um país capaz de reduzir a pobreza, sair do mapa da fome e ainda gerar riqueza. Era um país com uma cultura de tolerância do diferente, do aproveitamento do ócio e da procura da felicidade. Era assim que esse gigante da sociologia apresentava o nosso país para o mundo. O Brasil era o modelo que o mundo deveria seguir para ser feliz.

Quem diria, Domenico, que em 2019 teríamos um presidente perguntando sobre golden shower no twitter. Quem poderia imaginar um país dando aval para execuções em comunidades. Quem sonharia com uma nota lançada à imprensa pelo exército brasileiro acusando um pai de família de atirar contra as forças armadas, sem nenhuma investigação prévia do fato. O que deu errado?

Talvez Domenico não saiba, ou talvez tenha escolhido o título do seu livro de propósito, mas o Brasil já brincava de dizer que era o país do futuro. E a frase terminava dizendo que o futuro nunca chegava. Novamente o futuro foi para longe e ficamos com um passado que deixa o medievo com inveja.

Parece que o Brasil tem medo do futuro. E não só parece; ele tem. Por quê? Porque o fantasma da igualdade rondava o país.

Em 2018, o Brasil figurava na posição de número 99 do coeficiente Gini, o que indica que o Brasil é um dos países mais desiguais do mundo, já que nada mudou desde que colocaram você sabe quem no poder. No ranking da desigualdade, perdemos apenas para o Paraguai, para a Namíbia e alguns outros.

Lula acreditou que o bolo poderia crescer por tempo indeterminado, ou seja, seria possível acabar com a pobreza sem mexer no lucro. E as margens de lucro das empresas instaladas no Brasil eram superiores as instaladas na Europa ou Estados Unidos até 2016.

Domenico, provavelmente, via que o bolo não cresceria para sempre, mas que, com um bolo grande e um país democrático, o Brasil teria a chance de ser mais igual (Domenico procura enxergar sinais de progresso nas ondas de pequenas violências, como no caso de crianças contratas em países pobres para trabalhos manuais).

E essa ideia não veio desacompanhada de outras análises. Thomas Piketty afirma, no livro O Capital no século XXI, que a tendência natural de um planeta globalizado e capitalista é um desenvolvimento mais acelerado de países mais pobres e desiguais, enquanto países mais ricos assistiriam a um esfriamento de suas economias. Essa previsão indica que os países subdesenvolvidos se tornariam desenvolvidos e as economias mundiais entrariam em uma espécie de equilíbrio. Algo muito semelhante as idealizações de Adam Smith e algumas projeções de David Ricardo. O mundo fantástico de Bob. Quer dizer: o mundo fantástico do livre mercado.

De fato, o início da derivada da ascensão econômica pelo tempo que Piketty previu aconteceu. Mas os países subdesenvolvidos não se tornaram desenvolvidos. Aconteceu o óbvio. Países desenvolvidos meteram a mão invisível no mercado para criar barreiras e dificuldades contra esse equilíbrio, pois ele significaria menos lucro, e talvez menos pessoas morrendo de fome. Mas o foco é o lucro.

Tivemos, com Trump, o aumento taxas de importação nos EUA, e outros países instituindo barreiras para produtos de nações subdesenvolvidas a fim de impedir um mundo mais igual. Existem muitos fatores para esse fenômeno, mas tudo começa com átomos, quarks, strings – as partículas essenciais.

Pois, antes de gregos ou troianos, somos indivíduos. E existe uma negação, um nihil que alguns tentam preencher com superioridade diante de outros, com sensação de poder, de razão de existência na visão de si como superior.

“Make America Great Again” é um jeito fofo de dizer: Ninguém pode descobrir que somos iguais, humanos! É preciso manter o folclore de que “lá nos estados unidos” tudo é perfeito. Lá o policial fala “PARADO” e se o cidadão não parar o policial pode dar 25 tiros nele. E no outro dia a população fará uma passeata em homenagem ao policial. Deixa esse povo descobrir que lá morrem cerca de 160 policiais/ano, enquanto existem países semelhantes em que a taxa não passa das dezenas.

“Make o pobre pobre again”. O risco do mundo mais igualitário é justamente a sua igualdade. Imagine se a eleição não tivesse o empurrãozinho do dono da Havan, da mamadeira erótica e da Record entrevistando um indivíduo, que propõe a morte ou a expulsão de todos que não pensam igual a ele, durante o processo eleitoral. Numa competição igual Bolsonaro não teria a mínima chance, pois ele não tem capacidade para ocupar nenhum cargo que exija inteligência. A parte boa é que ele mesmo admite isso. Acho fofo.

Na igualdade, o mero fato de nascer com privilégios não lhe daria a certeza de ascensão sobre o outros, não lhe daria o medíocre orgulho de ser mais que alguém. Orgulho que gente medíocre precisa para se sentir importante. Então é preciso manter a desigualdade e justificá-la, legitimá-la, colocá-la dentro de falácias.

São diversas as falácias, mas a mais comum é a que se resume no termo Foucaltiano “empreendedor de si”. Essa falácia incentiva o indivíduo a acreditar que ele é o único fator relevante para o seu próprio sucesso. O ambiente em que nasceu, o país em que nasceu, a tonalidade da pele, nada disso importa. Basta se esforçar. E é por isso que você nasceu na classe que nasceu. E é por isso que nasceu no Brasil, porque você não foi um zigoto dedicado o suficiente para nadar até a Suíça. Tudo culpa sua.

E nesse movimento, os ritos ganham importância como formas de sustentar a falácia. Você não é um brasileiro, você é um Hickmann. Você não é um humano, você é um americano. Você não é uma pessoa, você é um cristão conservador, mas que assiste pornografia em nome de… Deixa pra lá. Você é perfeito. E é perfeito porque merece, e aquele bandido merece a morte. Afinal ele nasceu assim, né?

Ele nasceu bandido e você nasceu santo. Hitler bem que tentou acabar com as pessoas que nasciam más.

E por falar em Hitler… Bolsonaro entra para um seleto panteão juntamente com Adolf, Mussolini e outras figuras históricas. Pois, apesar de muitos governantes usarem a ideia da divisão como um caminho para a vitória nas urnas – vide Trump com a visão de que é preciso extirpar os estrangeiros e os de matriz religiosa diversa da cristã do país – pouco líderes falaram de extirpar os seus.

Até mesmo Trump fala de união quando assumiu o governo, enquanto Bolsonaro fala de dividir, acabar, exterminar.

E talvez a minha fala lhe cause mágoas daqui para a frente, mas todos nós temos de admitir que Bolsonaro tem feito um ótimo serviço. Ele está cumprindo o que propôs como poucos fizeram. O problema é que ele não propôs melhorar nada.

Se você reparar bem, os discursos dele sempre diziam que “tem que acabar com isso aí” – a tosquíssima frase virou até chacota para se referir a uma fala sem conteúdo. Repare que ele não falou em melhorar o país, mas em mudar. E mudar pode ser para melhor ou para pior.

E tem gente surpresa com o fato dele se calar quando um cidadão brasileiro é executado pelo exército de seu país. Obviamente ele não falará nada, pois é exatamente isso que ele espera para o país. Bolsonaro não ficou triste nem surpreso, pois é exatamente esse o país que ele quer. Ou você acha que ele teria a mínima chance de vencer uma eleição ou se perpetuar no poder se o país progredisse?

Bolsonaro não tem propostas, ele tem desejos. O desejo dele é o caos para que ele fale do caos. E é por isso que ele não fez nada pelo Rio De Janeiro nesse longo tempo de legislativo que ele tem, porque se algo melhorasse ele perderia o palco. O caos é o palanque de Bolsonaro.

E nada disso é sem motivo. Domenico De Mais apontou um futuro o qual Bolsonaro não podia suportar. Um país no qual os preconceitos dele fossem malvistos. Onde a ignorância dele não lhe daria aval para colocar a família toda na política. Onde ele andaria diariamente vigiado por olhares de piedade.

Bolsonaro tinha duas opções: mudar a si ou mudar o país. E eu já disse em outros textos que mudar a si é coisa para gente corajosa.

Bolsonaro criou um país pobre, triste, assustado, violento e preconceituoso dentro de sua mente. E dessa ideia ele criou sua procissão política. Em nome de dias melhores para ele, onde ele não fosse visto como um ser fraco, mas como um mito. O mito da maldade em um sistema mal. Mito! Mito! Mito!

E o mundo permite a aproximação quando há afinidade. Ele bem que tentou ser amigo do Donald, mas não deu muito certo, já que Trump não quer um amigo, ele quer um servo, e isso o Bolsonaro sempre foi (o famoso militar que presta continência para a bandeira estrangeira. Eita desejo de ser americano). E foi assim que começou a relação do mitomaníaco com o Olavo de Carvalho. Pois ambos são muito parecidos. Ignorantes até os ossos, covardes, medrosos e orgulhosos.

Olavo era ruim demais para o Brasil que era feliz. Então ele foi embora daqui para não ver o nosso progresso. E lá de longe criou o Brasil dos sonhos dele. O Brasil das conspirações comunistas alienígenas que só poderiam ser derrotadas pelos cristãos assassinos em Cristo. E Olavo atirou pedras até que não houvesse mais nenhuma pelo chão. Jesus saiu de perto e apareceram os mestres do capitalismo para tentar ressuscitar aquele que tem o pensamento morto.

Olavo idealizou o Brasil da mais miséria, da mais desigualdade, da mais violência. E, juntamente com Bolsonaro, está construindo esse sonho. A educação está sendo sucateada, os policias podem matar e negociar preços sem maiores riscos, o tráfico de drogas segue lucrativo e as milícias agradecem. As evidências são queimadas em uma fogueira simbólica na Nova Berlim.

O Brasil se deteriora para você, cidadão brasileiro, mas se torna um paraíso para estes dementadores.

Não sou o único a tentar explicar esse fenômeno, e talvez sequer seja o mais claro. Portanto, segue uma lista de nomes de canais do Youtube que dissecam o quadro narrado acima: Normose; Henry Bugalho, Canal Púrpura, Coisas que você precisa saber, Meteoro Brasil, Frank Jaava, Tese Onze, Quadro em Branco, leitura Obrigahistoria, Justificando.

Martel Alexandre del Colle é policial há 10 anos. É aspirante a Oficial da Polícia militar do Paraná.

.

Leia mais artigos de Martel Alexandre del Colle :

“Nós perdemos a guerra. Nunca vi faltar maconha em lugar nenhum do país devido às nossas apreensões”

.

“Basicamente o que a policia almeja é poder. O objetivo não é melhorar a segurança”, diz policial

“A ordem de um oficial está acima da lei”, explica policial sobre funcionamento da PM

.

“Estamos em uma guerra ideológica para matar pobre”, diz policial perseguido por criticar PM

Uma polícia mais humana para os policiais

.

.

Leia mais sobre o governo Bolsonaro:

Condições de trabalho pioram nos primeiros 3 meses de governo, diz especialista

Execuções policiais foram estimuladas nos 100 primeiros dias dos novos governos

.

Em 100 dias, a maior crise do governo foi ele próprio

Mais de mil médicos brasileiros desistem do Mais Médicos no primeiro trimestre de 2019

.

Reforma da Previdência: 1 trilhão pra quem?

10 mitos do sistema previdenciário de Paulo Guedes

“Será que os pobres não investiram o suficiente na bolsa de valores?”

 .

O país dos adolescentes sem futuro?

Fake news e fundamentalismo como formas de ver o mundo

 O movimento que elegeu Bolsonaro: Pior do que parece