Bolsonaro questiona qualidade do combustível vendido no Brasil e defende gasolina 15% mais barata

Victor Farias
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — Após trocar o comando da Petrobras na noite de ontem, o presidente Jair Bolsonaro voltou a afirmar neste sábado que não interferiu na estatal. Ele também questionou a qualidade do combustível vendido no Brasil e disse que, "se todos os órgãos tivessem funcionando", a gasolina deveria ser 15% mais barata. As declarações foram dadas em live no Instagram.

— Vou continuar sem interferir, interferência zero. Contudo, vai ter transparência e previsibilidade. Não adianta a imprensa falar que eu intervim. Estou na mesma linha que na questão da Polícia Federal, e não acharam nada de interferência minha no tocante à PF — disse, em referência às acusações do ex-ministro da Justiça Sergio Moro.

Na noite de ontem, Bolsonaro anunciou a demissão do presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. O presidente da estatal vinha irritando Bolsonaro por conta do aumento dos combustíveis, especialmente o diesel. A situação se agravou depois que Castello Branco, em Janeiro, ainda sob a pressão da ameaça de greve dos caminhoneiros, afirmou que a insatisfação da categoria é “um problema que não é da Petrobras”.

Na transmissão, Bolsonaro afirmou que a prova de que não haveria interferência na Petrobras é que o reajuste de 15% nos combustíveis permanece, apesar da mudança no comando. Em seguida, questionou a qualidade do combustível vendido no Brasil e pediu mais transparência no setor.

— Agora uma pergunta a vocês: você sabe que quando você coloca seu combustível no carro você não tem certeza se tem marcando 30 litros lá no visor da bomba se tá entrando 30 litros, não sabe a qualidade desse combustível — disse, acrecentando:

— Quando você a nota fiscal você também não sabe quanto de imposto é federal, quanto é estadual, quando é a margem de lucro dos postos e quanto se paga tmb na questão da distribuição. Você não sabe de nada, é uma caixa preta — afirmou.