Bolsonaro reafirma lealdade a Guedes: 'Na questão econômica, confiança acima de tudo'

Paola De Orte*

MIAMI - Na manhã em que a Bolsa de Valores de São Paulo e bolsas nos Estados Unidos entraram em circuit breaker, quando as operações de compra e venda são suspendidas por causa de uma queda abrupta nos índices, o presidente Jair Bolsonaro reafirmou sua lealdade ao ministro da Economia, Paulo Guedes.

– Na questão econômica, como disse, confiança acima de tudo. Honrar compromissos buscar retaguardas jurídicas e garantias. Temos na pessoa do Ministro da Economia um homem conhecido dentro e fora do Brasil, o senhor Paulo Guedes. E às suas políticas econômicas somos leais e buscamos implementá-las de todas as formas. Estamos mostrando que estamos no caminho certo. Aqui nos Estados Unidos estamos mostrando isso.

As declarações foram durante um evento para empresários brasileiros em Miami. Bolsonaro está nos Estados Unidos desde o sábado, quando jantou com o presidente Donald Trump em seu resort na Flórida.

Apesar do pânico nos mercado financeiro global, após uma guerra de preços entre Arábia Saudita e Rússia ter derrubado a cotação do petróleo em até 30%., o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse na manhã desta segunda-feira que a equipe econômica está "absolutamente tranquila".

O presidente também afirmou que conversou ontem o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e que recebeu a mensagem de que a casa "fará sua parte".

– Vencemos o primeiro ano com muito sacrifício. Tivemos apoio do parlamento na reforma previdenciária, a mãe de todas as reformas. Outras duas se apresentam pela frente. Conversei ontem rapidamente com o Presidente da Câmara Rodrigo Maia, e ele falou que apesar que, apesar de alguns atritos comuns, o que é muito normal na política, a Câmara fará sua parte, buscando a melhor reforma administrativa e tributária.

Nesta manhã, a Bolsa de Valores de São Paulo (B3) entrou em circuit breaker, que é quando o Ibovespa, seu principal índice, cai mais de 10% e as negociações são interrompidas por 30 minutos para acalmar os operadores e evitar perdas adicionais aos investidores. Nos Estados Unidos, as principais Bolsas também acionaram o circuit breaker após queda de mais de 7%.

* Especial para O GLOBO