Bolsonaro reage sobre se filiar a partido do centrão: 'Quer que eu converse com o PSOL?'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 13.09.2021 - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante cerimônia de lançamento do programa Habite Seguro, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapres)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 13.09.2021 - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante cerimônia de lançamento do programa Habite Seguro, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapres)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Com a sua filiação praticamente acertada ao PL de Valdemar Costa Neto, o presidente Jair Bolsonaro tentou nesta terça-feira (9) rebater eventuais críticas à sua ida para uma sigla do centrão —grupo de partidos ao qual o mandatário pertenceu por mais de 20 anos, mas condenou durante a campanha de 2018.

"Pessoal critica: ‘Ah, o cara está conversando com o centrão’. Quer que eu converse com o PSOL, com o PC do B, que não centrão?", questionou o presidente, em entrevista ao portal bolsonarista Jornal Cidade Online.

"Se você tirar o centrão, tem a esquerda. Para onde é que eu vou? Tem que ter um partido, se eu quiser disputar as eleições do ano que vem."

Na entrevista, o presidente não cita o PL expressamente, mas na segunda-feira (8) disse estar 99% fechado com a legenda. O partido era aliado do ex-presidente Lula (PT). No mensalão, seu principal dirigente, Valdemar Costa Neto, foi condenado e preso.

Bolsonaro lembrou ainda que ele próprio foi filiado ao PP, outro partido do centrão com o qual vinha negociando até o momento. "Eu fui do centrão", disse.

A filiação não está completamente acertada, mas o presidente disse a apoiadores pela manhã que deve decidir nesta semana. Haverá uma reunião entre Valdemar e Bolsonaro na quarta-feira (10) para acertar alguns palanques regionais, segundo o próprio presidente disse a apoiadores.

Uma eventual filiação de Bolsonaro e seus apoiadores ao partido consolida ainda mais a mudança de postura do presidente, eleito com a promessa de acabar com o que chama de "velha política", moldada no toma lá dá cá.

O "toma lá" são os vários cargos de segundo e terceiro escalão da máquina federal, postos cobiçados por caciques partidários para manter seu grau de influência em Brasília e nos estados.

O "dá cá" é uma base de apoio mínima no Congresso para, mais do que aprovar projetos de seu interesse, evitar a abertura de um possível processo de impeachment.

O general Augusto Heleno (GSI), na campanha de 2018, cantou: "Se gritar pega centrão, não fica um, meu irmão". O PL e o PP ocupam as principais cadeiras no Palácio do Planalto: Casa Civil, com Ciro Nogueira, e Secretaria de Governo, com Flávia Arruda.

Nesta terça, em frente ao Palácio da Alvorada, o chefe do Executivo foi questionado sobre para qual partido iria. Bolsonaro disse que deve decidir nesta semana e aproveitou para já se blindar de eventuais críticas.

"Todos os partidos têm problemas. Eu não consegui fazer o meu, [por] que a burocracia cresceu muito e foi impossível ter um partido", disse o presidente.

"Não queiram tudo, que o partido não é meu. Tem uma outra pessoa lá que fez o acordo comigo e nós temos que alinhar nossos objetivos, só isso", afirmou, sem citar Valdemar Costa Neto.

O presidente completa, no próximo dia 19, dois anos sem legenda, desde que deixou o PSL, partido pelo qual se elegeu.

A expectativa de aliados é de que, com a filiação, Bolsonaro leve ao menos 20 deputados para o PL, na janela partidária, no ano que vem. Em 2018, o PSL elegeu 52 deputados.

A demora do presidente em escolher um partido foi motivo de crítica de apoiadores e aliados, que esperam a decisão para poder se filiar a uma legenda. Enquanto isso, a maioria dos palanques estaduais já estão organizados.

"Tem gente já reclamando, ‘por que que não estou vindo candidato?’, porque não tem legenda para você, uai", disse Bolsonaro no cercadinho.

A prioridade do presidente será lançar senadores, como ele próprio confirmou nesta terça. Comentou ainda a possibilidade de o empresário catarinense Luciano Hang ser candidato ao Senado, como ele sinalizou ter interesse. Ele disse que nem precisaria sair de casa para ser eleito.

O VAIVÉM PARTIDÁRIO DE BOLSONARO

PDC (1989 - 1993)*

PPR (1993 - 1995)*

PPB (1995 - 2003)*

PTB (2003 - 2005)

PFL, atual DEM (2005)

PP, antigo PPB (2005 - 2016)

PSC (2016 - 2018)

PSL (2018 - 2019)

* Fusões

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos