Bolsonaro rebate cobranças por apoio à Ucrânia: 'Estou do lado da paz'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente Jair Bolsonaro rebateu nesta quarta-feira cobranças por não estar apoiando a Ucrânia na guerra contra a Rússia, dizendo que está "do lado da paz". Bolsonaro também reconheceu que "apanhou muito" por ter viajado à Rússia em fevereiro, logo antes do início do conflito, mas manteve sua posição.

Na segunda-feira, Bolsonaro conversou por telefone com o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. Após a ligação, Zelensky afirmou que defendeu na conversa sanções contra a Rússia. Depois, em entrevista à TV Globo, o ucraniano criticou a posição de "neutralidade" em relação ao conflito defendida por Bolsonaro.

Em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, na manhã desta quarta, Bolsonaro recordou que membros do governo recomendaram que ele não viajasse para a Rússia, já que já havia a chance de início do conflito.

— Vá para a Rússia ou não? Se dependesse de quem tá do meu lado, eu não iria. Não, se mantenha neutro, a Rússia pode invadir a Ucrânia. Eu fui para Rússia. Resolvi a questão do fertilizante.

O presidente, então, relatou as críticas que recebeu:

— Apanhei muito porque fui para a Rússia. (Dizem) "Tem que estar do lado da Ucrânia…". Estou do lado da paz. Se eu tivesse como resolver a guerra, já teria resolvido.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos