Bolsonaro recebe homenagem em cidade italiana em meio a atos pró e contra

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 04.08.2021 - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante cerimônia de posse de Ciro Nogueira como novo ministro chefe da Casa Civil, no Palácio do Planalto, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 04.08.2021 - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante cerimônia de posse de Ciro Nogueira como novo ministro chefe da Casa Civil, no Palácio do Planalto, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

ANGUILLARA VÊNETA, ITÁLIA (FOLHAPRESS) - Anguillara Vêneta acordou blindada nesta segunda (1º), já que a cidade localizada na região do Vêneto, no norte da Itália, que há uma semana vive a polêmica provocada pela concessão do título de cidadão honorário a Jair Bolsonaro, foi palco de atos contra e a favor da homenagem ao presidente brasileiro.

Por isso, o centro do município foi fechado, e a rua do local em que o líder brasileiro recebeu o título das mãos da prefeita Alessandra Buoso, ligada ao partido de ultradireita Liga Norte, bloqueada. Do lado de fora, dezenas de policiais, alguns dos quais enviados de Rovigo, fizeram a segurança nos protestos.

Bolsonaro chegou à cidade por volta das 12h, no horário local, e foi direto à Villa Arco del Santo, um prédio de 1660 onde a prefeita o aguardava. De acordo com a agenda presidencial, a entrega do título deveria ter sido feita na prefeitura, mas, por questões de segurança, os planos foram mudados. Bolsonaro, segundo a programação, também caminharia pelas ruas da cidade e só depois iria à Villa Arco para um almoço.

Durante a cerimônia, o presidente brasileiro disse estar emocionado. "Meus avós começaram daqui. Estou feliz por estar entre as pessoas boas. Estou honrado em representar a nossa família no Brasil", afirmou ele aos convidados. "Estamos fazendo um ótimo trabalho. Deus queria que eu me tornasse presidente do Brasil, e eu estou honrando nossa família no Brasil. Apesar de tudo, estamos fazendo um ótimo trabalho, que é certamente reconhecido pelo povo e não é reconhecido pelos meios de comunicação de massa."

Embora Bolsonaro tenha dito que tem "muito apoio popular" e que o trabalho realizado à frente do Planalto é "reconhecido pelo povo", a pesquisa Datafolha mais recente mostra que mais da metade (53%) dos brasileiros o reprova, o maior índice desde que tomou posse, em 2019.

Alguns familiares do presidente, como Franco Bolzonaro, também compareceram à cerimônia. Ao jornal Folha de S.Paulo, dias antes do evento, ele disse por telefone que "é justo que Bolsonaro receba o título". "Ele é o presidente do Brasil, não se sabe se ele cometeu todos os crimes pelos quais é acusado e, mesmo que fosse condenado, tem o direito de ser homenageado porque tem raiz vêneta."

A honraria foi aprovada a toque de caixa pela prefeita Buoso, que a justificou afirmando que "era uma homenagem aos italianos que haviam partido para o Brasil, uma homenagem às origens vênetas", uma vez que foi em Anguillara Vêneta, uma cidade de 4.000 habitantes, que o bisavô de Bolsonaro nasceu.

Antônio Spada, vereador da oposição, um dos primeiros a chegar aos atos contrários a Bolsonaro, opôs-se à homenagem. Afirmou a jornalistas que a prefeita se contradiz, "pois concederia a cidadania porque o presidente promove a história vêneta". "Mas Bolsonaro nunca nem mesmo falou sobre Anguillara".

Os manifestantes contrários ao líder brasileiro começaram a se reunir por volta das 9h, no horário local, na praça Matteotti, espaço autorizado pela polícia para a realização do protesto. Mesmo debaixo de chuva fina, a italiana Gilberta Zanon, 78, fez questão de participar do ato. "O que a prefeita fez é algo obsceno. Como é possível dar um reconhecimento a uma pessoa que destrói os direitos dos outros?", disse ela.

Um outro grupo, de cerca de 20 pessoas pró-Bolsonaro, também chegou cedo e, sem perceber, uniu-se à manifestação contrária. Diene Matias, 58, que veio de Oderzo, a 130 km de Anguillara, estava entre eles.

Enquanto dizia que Bolsonaro é "o único político limpo e não corrupto", um idoso passou ao lado e lhe disse para voltar ao Brasil, "visto que adorava tanto o presidente". Matias chamou a polícia, que lhe avisou que aquela não era a manifestação da qual ela queria participar.

Do outro lado da praça, militantes do partido da Refundação Comunista gritavam frases como "Salvini cretino, Bolsonaro é assassino", em referência a Matteo Salvini, senador símbolo da ultradireita italiana e um apoiador da família do presidente brasileiro no país. Salvini deve se encontrar com Bolsonaro nesta terça (2), durante homenagem em Pistoia aos pracinhas que combateram na Segunda Guerra.

Durante uma hora, os movimentos sociais e as legendas que organizaram o ato —Partido Democrático, Refundação Comunista, CGIL, o maior sindicato dos trabalhadores da Itália, ANPI, que reúne membros da resistência italiana ao fascismo, além de organizações não governamentais— dividiram as indignações.

Simpatizantes do presidente começaram a chegar por volta das 11h. Cantando o hino nacional e vestidos com camisas da seleção brasileira, eles se espalharam pela cidade. Reuniram-se em frente à prefeitura e depois se deslocaram até a Villa Arca del Santo. Após empurra-empurra entre manifestantes e profissionais da imprensa, o presidente saiu rapidamente do local para cumprimentar os simpatizantes, que gritavam "mito". Em meio à confusão, uma voz destoou: uma mulher gritou "genocida".

As manifestações contra a decisão da prefeita começaram já na sexta-feira, (29), quando alguns manifestantes ligados ao grupo ambientalista Rise Up 4 Climate Justice jogaram esterco na entrada da prefeitura e picharam a fachada com "Fora Bolsonaro". Para o grupo, "o presidente representa o modelo capitalista, predatório, destrutivo e colonialista" contra o qual seus membros lutam.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos