Bolsonaro recomenda a apoiadores não realizarem manifestação no domingo para evitar confronto

Daniel Gullino
No Rio, políciais utilizaram spray de pimenta e gás lacrimogênio para dispersar manifestantes

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro recomendou nesta segunda-feira a seus apoiadores que não façam uma manifestação no próximo domingo, para evitar um conflito com opositores, que também marcaram um protesto na mesma data.

Bolsonaro conversava com apoiadores no Palácio da Alvorada, quando um deles disse que era preciso acabar com "esses caras de preto batendo na gente", em referência a manifestantes que entraram em confronto com apoiadores do presidente no domingo em São Paulo e no Rio de Janeiro.

— Estão marcando domingo um movimento, né? Deixa sozinho o domingo — disse Bolsonaro.

Um apoiador, então, perguntou se ninguém deveria ir, e o presidente afirmou que não coordena os protestos, mas voltou a recomendar uma mudança na data.

— Eu não coordeno nada, não sou dono de grupo. Não participo de nada. Só vou prestigiar vocês que estão me apoiando. Vocês fazem um movimento limpo, decente, pela democracia, pela lei e pela ordem. Eu apenas compareço. Não conheço praticamente ninguém desses grupos. Eu acho que, já que eles marcaram para domingo, deixa domingo lá.

O presidente adotou uma nova estratégia para conversar com os apoiadores. Tradicionalmente, Bolsonaro fazia isso na área externa do Alvorada, onde a imprensa também pode ficar. Nesta segunda, contudo, ele permitiu que o público entrasse no terreno do Palácio e disse que estava fazendo isso para evitar o contato com os jornalistas.

— A imprensa agora não vai poder dizer mais que estou agredindo ela. Conversar com o povo, porque esse pessoal aí realmente...Se transmitisse a verdade, tudo bem. Mas deturpam, inventam.