Bolsonaro reforça críticas sobre presidente do Chile: “Não deixei de falar a verdade”

Após declarações de Jair Bolsonaro, governo do Chile convocou o embaixador do Brasil em Santiago para consultas (Foto: Rodrigo Paiva/Getty Images)
Após declarações de Jair Bolsonaro, governo do Chile convocou o embaixador do Brasil em Santiago para consultas (Foto: Rodrigo Paiva/Getty Images)

Após o governo do Chile chamar o embaixador do Brasil em Santiago para consultas, o presidente Jair Bolsonaro (PL) reforçou a mentira que contou sobre Gabriel Boric, mandatário chileno.

“O presidente do Chile agora começou a chamar o embaixador, uma maneira que ele tem de mostrar a insatisfação comigo. Se eu exagerei ou não, não deixei de falar a verdade”, declarou Bolsonaro nesta terça-feira (30).

No debate presidencial que ocorreu no último domingo (28), Bolsonaro acusou Boric de ter incendiado estações de metrô nas manifestações chilenas em 2019. A fala gerou um incidente diplomático entre os países.

“Lula também apoiou o presidente do Chile, o mesmo que praticava atos de tacar fogo em metrôs lá no Chile. Para onde está indo nosso Chile?”, disse o presidente brasileiro durante o debate.

Nesta terça-feira, Bolsonaro afirmou que a Constituinte do Chile vai na contração “do que qualquer país democrático quer. Isso é problema deles? É problema deles, mas o cidadão lá teve o apoio de um cara aqui do Brasil”.

Ao longo do processo eleitoral do Chile, Lula manifestou apoio a Gabriel Boric. O opositor era Jose Antonio Kast, candidato de extrema-direita, apoiador do ditador Augusto Pinochet.

Após as falas de Bolsonaro sobre o presidente chileno, até membros da oposição apoiaram Boric. A cancelaria do Chile afirmou que as declarações do brasileiro são “absolutamente falsas” e “gravíssimas”.

Chile convoca embaixador

O Chile decidiu convocar o embaixador do Brasil em Santiago depois das críticas feitas por Jair Bolsonaro (PL) durante o debate entre presidenciáveis na noite do último domingo (28).

O presidente do Brasil acusou o mandatário chileno, Gabriel Boric, de “queimar o metrô” nos protestos que ocorreram no Chile em 2019. A informação da convocação do embaixador foi confirmada pela ministra de Relações Exteriores, Antonia Urrejola.

“Consideramos essas acusações gravíssimas. Obviamente são absolutamente falsas e lamentamos que em um contexto eleitoral as relações bilaterais sejam aproveitadas e polarizadas por meio da desinformação e das notícias falsas”, disse a ministra.