Bolsonaro reitera que vacina que for aprovada pela Anvisa será comprada pelo governo

Por Ricardo Brito
·2 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto
Presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA, (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro voltou a afirmar nesta quarta-feira, em transmissão pelas redes sociais, que é contrário à vacinação obrigatória contra Covid-19, mas destacou que se o imunizante no enfrentamento ao novo coronavírus receber o aval tanto do Ministério da Saúde quanto da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) será comprado e ofertado pelo governo federal.

"Não pode ser obrigado. Quem não quer tomar a vacina, caso ela chegue, seja aprovada pela saúde e certificada pela Anvisa, o governo federal, a princípio, nós vamos comprar. Se não tiver nenhum impedimento, nós vamos comprar a vacina. Disponibilizaremos, claro, mas jamais da nossa parte ela será obrigatória. Não tem cabimento", disse.

A declaração foi dada no mesmo dia em que a Anvisa autorizou a retomada dos testes com a CoronaVac, vacina da chinesa Sinovac que está sendo testada no país pelo Instituto Butantan, após uma interrupção determinada na segunda-feira.

Na véspera, Bolsonaro chegou a comemorar nas redes sociais a suspensão pela Anvisa dos testes com a CoronaVac após relato de um evento adverso grave. Posteriormente, soube-se que um voluntário suicidou-se. Após receber oficialmente essa informação, o órgão regulador autorizou o prosseguimento dos trabalhos.

Bolsonaro barrou no mês passado a compra pelo Ministério da Saúde da vacina que está sendo testada pelo Butantan, contestando sua a eficácia e procedência, em meio a uma disputa com o governador de São Paulo e seu desafeto, João Doria.

Na transmissão desta quarta-feira, o presidente fez uma comparação em se obrigar a se vacinar contra Covid-19 e se usar a cloroquina, medicamento sem eficácia comprovada para o tratamento da enfermidade defendido por ele.

"Nunca obriguei a ninguém a tomar cloroquina", disse, ao citar o uso desse remédio para outras doenças e dizer que ela não seria experimental para a Covid-19.

Bolsonaro, que na véspera disse que o Brasil tem que deixar de ser um país de maricas, numa referência pejorativa ao receio com a Covid-19, comemorou nesta quarta a recente melhoria nos dados da pandemia no país.

"Pelo que tudo indica, acho que ontem morreram menos de 300 pessoas, a gente lamenta, mas o número de mortos tem caído vertiginosamente no Brasil. Espero que continue assim, que estamos atingindo a tal imunidade de rebanho", disse.

Novamente, o presidente disse que lamenta as mortes e criticou aqueles que dizem que ele seria insensível, mas defendeu se enfrentar a questão e citou que todo mundo vai morrer um dia.

O Brasil, com 163.373 mortos e 5.748.375 casos, o segundo país com maior número de mortes por coronavírus no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, e o terceiro em casos, abaixo dos EUA e da Índia.