Bolsonaro reprova fala de Mourão sobre compra de CoronaVac: "A caneta é minha"

Colaboradores Yahoo Notícias
·1 minuto de leitura
Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images
Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reprovou a entrevista do vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) à revista Veja, em que garantiu a compra, pelo governo federal, da CoronaVac, vacina produzida pelo laboratório chinês SinoVac em parceria com o instituto Butantan, em São Paulo, contra o novo coronavírus.

Em entrevista ao portal R7, Bolsonaro afirmou que “a caneta bic é minha”, ao ser questionado se o governo comprará ou não a vacina contra a Covid-19, dando a entender que Mourão não teria poder ou influência para opinar sobre a questão.

Leia também

O vice-presidente disse à Veja que a briga entre Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), é política. “É lógico que o governo federal vai comprar doses do imunizante”, declarou Mourão. “Já colocamos os recursos no Butantan para produzir essa vacina. O governo não vai fugir disso aí.”

A declaração de Mourão vai na direção contrária do que foi dito por Bolsonaro. O presidente já disse em diversas ocasiões que vetou a compra de doses da CoronaVac.

A negociação já tinha sido feita pelo ministro de Saúde, Eduardo Pazuello, com o Instituto Butantan, mas foi desautorizada pelo presidente. Mourão ainda afirmou que não se sente incomodado ao ter suas opiniões rebatidas pelo presidente.

A CoronVac está sendo testada e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, em parceria com a SinoVac. A instituição está esperando a liberação da Anvisa para a entrada de matéria prima para produção da imunização.