Bolsonaro sai em defesa de Nise Yamaguchi e critica CPI da Covid

·2 minuto de leitura

O presidente Jair Bolsonaro classificou como “covardia” o que a oncologista e imunologista Nise Yamaguchi viveu em depoimento à CPI da Covid na terça-feira. Ao criticar a comissão do Senado nesta quarta, ele questionou os trabalhos do presidente e do relator da comissão, Omar Aziz (PSD-AM) e Renan Calheiros (MDB-AL), que se tornaram seus desafetos políticos.

— Quem conhece quem é Omar Aziz, quem é Renan Calheiros não precisa fala mais nada. (...) Vocês viram o que a CPI fez com a Nise Yamaguchi? Isso é uma covardia — afirmou Bolsonaro.

Durante o depoimento, a médica propagandeou o tratamento precoce, com medicamentos de ineficácia comprovada contra o novo coronavírus. Senadores independentes e da oposição, como Otto Alencar (PSD-BA) e Alessandro Vieira (Cidadania-SE), apontaram contradições e falhas no discurso ao apresentar dados e estudos científicos contra a tese apresentada por ela sobre a eficácia da cloroquina, que integra o kit Covid.

— A senhora apostou numa droga (cloroquina) que poderia dar certo ou não. Essa é a grande realidade e a ciência, doutora, por mais que a senhora seja formada e tenha cursos, não admite isto de se apostar no escuro, querer testar uma droga para ver se dá certo ou errado — criticou Otto durante o depoimento.

Apontada como integrante do “ministério paralelo” da Saúde, que orientou o governo federal no combate a pandemia, a médica negou participação no gabinete. Contudo, mensagens entregues por ela à CPI comprovam a existência do grupo. Próxima a Bolsonaro, Nise chegou a ser cotada duas vezes para o cargo de ministra da Saúde.

Em conversa com apoiadores, Bolsonaro tossiu sem máscara. Indagado por um homem, que se identificou como funcionário da área financeira da Polícia Federal, sobre o que fazer a respeito do Poder Judiciário, o presidente respondeu:

— Essa pergunta é muito complexa. Muitas ideias saem daqui, dessa conversa.