Bolsonaro e Salles responsabilizam países ricos, cobram recursos e prometem cumprir metas de cúpula

Marcelo Tuvuca Freire
·4 minuto de leitura
Brazilian President Jair Bolsonaro (L) and his Environment Minister Ricardo Salles are seen during the Launch of the
Jair Bolsonaro e Ricardo Salles durante evento em 9 de fevereiro de 2021 (EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) convocou o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, para sua live nesta quinta-feira (22), onde ambos comentaram a participação do governo brasileiro na Cúpula do Clima.

Durante seu discurso na cúpula, nesta quinta, Bolsonaro declarou que o país buscará reduzir a zero o balanço das emissões de carbono até 2050 – a mesma fixada pelos Estados Unidos e países europeus. Além disso, o presidente também fez outra promessa ambiciosa: a eliminação do desmatamento ilegal até 2030. Para isso, pediu "cooperação internacional".

Leia também

Bolsonaro adotou um tom moderado durante seu discurso oficial, ao contrário de posturas anteriores, quando chegou a defender a soberania do Brasil na região e acusar países estrangeiros de interesse na extração de recursos na Amazônia. Além disso, o presidente chegou a relacionar o desmatamento à atuação de ONGs internacionais.

Ao lado de Salles em sua transmissão semanal nas redes sociais, Bolsonaro manteve as promessas do discurso feito horas antes. A dupla, no entanto, reiterou a cobrança por ajuda no combate ao desmatamento e citou a participação dos países ricos na emissão de combustíveis fósseis.

O ministro do Meio Ambiente disse que as metas estipuladas pelo governo brasileiro "podem sim" ser atingidas. "Mas é importantíssimo que a gente faça o que o senhor tem dito, que é [o Brasil] receber ajuda. Nessa discussão climática, o Brasil não tem contribuição histórica. Enquanto países ricos estavam com suas indústrias emitindo combustíveis fosseis, o Brasil era um país agrícola, não tinha emissão nenhuma", disse Salles.

"Então, se estamos indo ajudá-los a resolverem problemas que eles mesmos criaram, eles também têm que nos ajudar a resolver o problema de 23 milhões de brasileiros deixados para trás na Amazônia", cobrou o ministro.

Salles e Bolsonaro listaram China (30% das emissões), Estados Unidos (15%), Europa (14%), Índia (7%) e Rússia (5%) antes de citar o Brasil, que é responsável por 3% das emissões de combustíveis fósseis. "O Brasil está lá embaixo. Lógico que queremos reduzir ainda mais, mas não justifica essa crítica absurda contra o Brasil. Está na cara que é uma questão econômica que está em jogo", afirmou Bolsonaro.

O ministro concordou com o presidente e falou que os países ricos que emitem gases poluentes pela queima de combustível fóssil "têm muito mais responsabilidade" que o Brasil na questão climática.

"Nós estamos sendo cobrados, e é correto que se cobre o desmatamento ilegal, que é metade dos nossos 3% de emissão. Então, é justo que eles nos ajudem com nosso 1,5% de emissões do desmatamento ilegal, uma vez que estamos ajudando com os 66% deles que são, na sua maioria, combustível fóssil, que não emitimos", acrescentou Salles.

Depois, o ministro do Meio Ambiente disse que o Brasil não recebeu a totalidade de recursos que deveriam ter sido destinados ao país pela participação em acordos climáticos como o Acordo de Paris (2015) e o Protocolo de Kyoto (1997). "Quem prometeu recursos e colocou a gente em acordos internacionais agora têm que colocar dinheiro à disposição", cobrou. Segundo ele, o Brasil apresentou um plano para receber US$ 1 bilhão em ajuda do governo norte-americano.

Ricardo Salles ainda afirmou que os recursos internacionais seriam somados a um aumento no orçamento do governo federal para combater o desmatamento em duas frentes: controle e fiscalização e ajuda para a população da região. "Por que voltou a subir o desmatamento na Amazônia desde 2012? Porque ninguém cuidou das pessoas. Ficou se discutindo questão ambiental e deixou 23 milhões de brasileiros para trás", discursou o ministro.

Bolsonaro chama vacina brasileira produzida no Butantan de "mandrake"

Antes de Salles ingressar na live, Bolsonaro foi acompanhado de Marcos Pontes, ministro de Ciência, Tecnologia e Inovações, que falou sobre a produção de uma vacina brasileira contra a covid-19, supervisionada pelo ministério, que está sendo produzida em Ribeirão Preto (SP).

Segundo ele, a pasta deu entrada na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para começar os testes das fases 1 e 2, que atestarão a segurança do imunizante.

Bolsonaro, por sua vez, provocou o governo de São Paulo por casa da ButanVac, a vacina brasileira que está sendo produzida pelo Instituto Butantan, cuja parte da tecnologia foi desenvolvida por um hospital norte-americano. "Nossa vacina é 100% brasileira, não é 'mandrake' igual àquela de São Paulo, que tinha Estados Unidos no meio", atacou o presidente.

Após falar das vacinas, Bolsonaro pediu que Pontes explicasse o status atual de remédios que estão sendo testados contra a covid-19 e voltou a defender medicamentos sem eficácia contra a doença, sem citar os nomes dos produtos. "Cuidado com a palavra. Não pode falar, para não cair a live", reclamou.

"Por que não se pode falar em remédio? Falei em remédio, fui massacrado. Se tiver problema, vou tomar a mesma coisa que eu tomei [hidroxicloroquina], não faz mal. Para muita gente, deu certo", disse o presidente, afirmando que "interessa" a alguns grupos "morrer gente" no Brasil.

"É covardia por parte da grande mídia, do Facebook, e da esquerda, que entra na Justiça contra esses medicamentos. É uma coisa inacreditável. Parece que interessa o número de mortos... para colocar a culpa em quem? Adivinha em quem?", disse.