Bolsonaro sanciona lei que prevê nova política de pagamento por serviços ambientais

Ricardo Brito
·2 minuto de leitura
Área desmatada da Amazônia perto de Porto Velho, em Rondônia

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro sancionou, com vetos, a lei que cria a Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais, destinada a reforçar a proteção florestal no país após um aumento nos números do desmatamento em 2020 e críticas dentro e fora do Brasil de leniência do governo nesse setor.

Em nota, a Secretaria-Geral da Presidência destacou que a nova legislação tem como foco medidas de manutenção, recuperação ou melhoria da cobertura vegetal em áreas prioritárias para a conservação.

"Tais medidas se inserem nas ações de combate à fragmentação de habitats e na formação de corredores de biodiversidade e conservação dos recursos hídricos. Nesse sentido, o pagamento por serviços ambientais depende da verificação e comprovação das ações implementadas", afirmou o comunicado.

A nota disse ainda que o texto sancionado proíbe a aplicação de recursos públicos para pagamento por serviços ambientais a pessoas físicas e jurídicas inadimplentes em casos de ajustamento de conduta ou de compromisso firmado junto aos órgãos ambientais, e também sobre áreas embargadas.

Conforme o comunicado, o presidente vetou, entre outras iniciativas aprovadas pelos parlamentares, artigos referentes a incentivos tributários a serem concedidos pelo Poder Executivo.

"A sanção presidencial concretiza uma melhor operacionalização dos pagamentos por serviços ambientais, o que significa evolução da política ambiental brasileira, privilegiando o princípio do provedor-recebedor e, assim, poder colaborar com a coletividade para a consecução do direito fundamental ao meio ambiente ecologicamente equilibrado.", disse.

Bolsonaro também sancionou, com vetos, outro projeto que permite um apoio a Estados e municípios endividados com a União. O texto prevê o aprimoramento do Regime de Recuperação Fiscal (RRF), permitindo que "unidades da Federação com baixa capacidade de pagamento possam contratar operações de crédito com garantia da União, desde que se comprometam a adotar medidas de ajuste fiscal".