Bolsonaro se afasta de Zema e decide apoiar candidato do PL em MG

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  07-06-2022, 17h00. O presidente Jair Bolsonaro participa de  Cerimônia Brasil pela Vida e pela Família, no Palácio do Planalto. No evento o presidente fez duras críticas ao STF  (Foto: Gabriela Bilo /Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 07-06-2022, 17h00. O presidente Jair Bolsonaro participa de Cerimônia Brasil pela Vida e pela Família, no Palácio do Planalto. No evento o presidente fez duras críticas ao STF (Foto: Gabriela Bilo /Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PL) decidiu nesta terça-feira (2) que lançará o senador Carlos Viana (PL-MG) como candidato a governador e que não terá no palanque o atual chefe do Executivo de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo).

As tentativas do mandatário de se aproximar de Zema, que lidera as pesquisas de intenção de votos, não prosperaram, e Bolsonaro preferiu manter na disputa um parlamentar de sua confiança.

A estratégia do presidente com a manutenção do senador na disputa é evitar que o pleito se encerre no primeiro turno e, assim, não tenha um candidato mais alinhado à direita em Minas caso vá para o segundo turno contra o ex-presidente Lula (PT).

Na avaliação do Palácio do Planalto, Viana irá dividir os votos com viés conservador no segundo maior colégio eleitoral do país e reduzirá as chances de Zema se reeleger já em 2 de outubro.

Zema deve apoiar o candidato do Novo à Presidência, o empresário Luiz Felipe D'ávila, no pleito nacional.

O atual governador está bem à frente nas pesquisas, com 48% da intenção e votos, segundo o último Datafolha. No mesmo levantamento, o ex-prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil (PSD-MG), apoiado por Lula, apareceu com 21%, enquanto Viana obteve 4%.

O senador deve ter um nome da União Brasil como vice e o deputado estadual Cleitinho Azevedo (PSC-MG) como candidato a senador --o Republicanos também comporá a aliança.

Assim, deve ser retirada a candidatura a senador do deputado Marcelo Álvaro Antônio (PL-MG), que foi ministro do Turismo de Bolsonaro e protagonista do escândalo do laranjal do PSL.

Viana concedeu uma entrevista à imprensa no Palácio do Planalto após reunião com Bolsonaro nesta terça e mandou indiretas a Zema. "Queremos palanque firme para Bolsonaro em Minas, palanque que não seja duvidoso", disse.

Segundo Viana, Bolsonaro "já comunicou" a Zema que irá lançar um nome próprio na disputa pelo comando de MG e que o "palanque oficial" do mandatário será o do senador.

"O governador Zema em vários momentos se comprometeu, mas não deu clareza sobre o que fazer. Minha função e principal missão é mostrar a minas o que Bolsonaro fez pelo estado", afirmou.

O parlamentar disse que Zema é "livre" caso queira levar o nome de Bolsonaro na campanha, mas que não acredita que isso ocorrerá . "Se tivesse que acontecer já teria sido firmado", disse.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos