Bolsonaro se compromete a indicar em breve ministro evangélico para o Supremo

Liége Albuquerque, do Valor, enviada especial

MANAUS — Em um discurso de 15 minutos para cerca de 8 mil pessoas, segundo os organizadores, no templo da Assembleia de Deus, em Manaus, o presidente Jair Bolsonaro se comprometeu nesta terça-feira a indicar em breve um ministro do Supremo evangélico, que como ele "lutará pela manutenção da família".

— (O novo ministro) lutará pela manutenção da família, porque nos governos anteriores colocavam até em livros escolares que (uma família) podia até ser formada por um juntamento de duas coisas. Será cristão e evangélico — frisou Bolsonaro, olhando para o pastor e juiz William Douglas.

O discurso do presidente foi ouvido de pé pelos fiéis, que gritavam "glória a Deus" e "amém".

É provável que a primeira cadeira a ser preenchida na Corte pelo presidente seja a do atual decano, o ministro Celso de Mello. Ele vai aposentar em novembro do ano que vem, ao completar 75 anos.

A substituição do ministro se deve após aprovação em 2015 da chamada PEC da Bengala, que ampliou de 70 para 75 anos a idade de aposentadoria compulsória no serviço público.

Bolsonaro também poderá indicar outro integrante do tribunal, durante o mandato. O ministro Marco Aurélio vai se aposentar no dia 12 de julho de 2021, também após completar 75 anos.