Bolsonaro se filia ao PL e volta ao centrão em evento com ataques a Lula e Moro

·7 min de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro se filiou ao PL na manhã desta terça-feira (30), em um evento com ministros, governadores, dirigentes partidários, parlamentares e muita aglomeração em meio à pandemia do coronavírus. Seu discurso foi de gestos a parlamentares e de ataques à esquerda.

"Nós tiramos o Brasil da esquerda, nós todos tiramos. Olha para onde estávamos indo", disse o mandatário para a plateia, citando a Venezuela. "As cores verde e amarela [estão agora] predominando sobre o vermelho. Nós conseguimos fazer brotar o sentimento de patriotismo."​

Ao seu lado no evento estavam dirigentes do centrão, que foram base e integraram o primeiro escalão dos governos petistas. O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, por exemplo, foi preso e condenado no escândalo do mensalão, revelado ainda no primeiro mandato de Lula, em 2005.

O discurso de Valdemar antecedeu o do presidente. Nele, ressaltou os programas sociais do governo, como o Auxílio Brasil. "Senhor presidente, temos a noção exata da nossa responsabilidade ao empunhar as bandeiras de sua obra à frente de um governo que nunca se intimidou", disse.

Já o mandatário acenou aos partidos do centrão e citou nominalmente os dirigentes do PP e do Republicanos, Ciro Nogueira e Marcos Pereira, respectivamente, que estavam na plateia. Os três são as principais legendas que dão sustentação ao governo federal.

"Estou me sentindo aqui, Arthur Lira, em casa", declarou Bolsonaro. Presidente da Câmara, o deputado do PP é aliado do Planalto. "Pode ter certeza que nenhum partido será esquecido por nós. Não temos aqui a virtude de sermos o único certo, queremos, sim, compor nos estados."

Diante da plateia de políticos, muitos investigados pelo STF (Supremo Tribunal Federal), o chefe do Executivo atacou —sem mencionar nominalmente— o ministro Alexandre de Moraes, relator de inquéritos que miram o presidente e seus apoiadores.

"Alguns extrapolam aqui na região, na Praça dos Três Poderes. Mas essa pessoa vai ser enquadrada, vai se enquadrando, vai vendo que a maioria somos nós. Nós aqui, que temos votos, em especial, é que devemos conduzir o destino da nossa nação", disse Bolsonaro.

Neste contexto, o chefe do Executivo repetiu um discurso que tem adotado nos últimos meses. "Em 2023, quem for eleito indica mais dois nomes [para o STF], com o perfil mais pro lado de cá, mais conservador."

No evento, o discurso mais político e eleitoral coube ao filho do presidente Flávio Bolsonaro (RJ), que também se filiou ao PL nesta terça.

O senador criticou o ex-ministro da Justiça e presidenciável do Podemos, Sergio Moro, chamando-o de traidor.

Flávio relembrou do episódio em que o então ministro divulgou conversa com a deputada Carla Zambelli (PSL-SP), de quem foi padrinho de casamento, a respeito da troca no comando da Polícia Federal. "Juntos, vamos vencer o vírus, qualquer traidor e qualquer ladrão de nove dedos, pelo bem do Brasil", afirmou.

O filho senador do presidente atacou também os governos petistas —que parte da plateia apoiou no passado. "Ainda querem nos fazer crer que um ex-presidiário, preso por roubar o povo brasileiro, estará à frente [de Bolsonaro nas pesquisas]."

Em meio a uma possível quarta onda da Covid-19, com a descoberta da variante ômicron, o evento contou com mais de 200 pessoas, num local sem ventilação. Apenas autoridades puderam entrar no pequeno auditório reservado para a cerimônia com o presidente. Convidados e imprensa ficaram numa antessala.

O evento foi bastante diferente do lançamento da Aliança pelo Brasil, partido que Bolsonaro tentou criar, mas não conseguiu. À época, a plateia estava repleta de apoiadores e discursos ideológicos. O tom da assinatura da ficha do presidente nesta terça-feira foi assim como a plateia: político.

Apenas ao final, após assinar a ficha de filiação, Bolsonaro deixou o local e foi até um carro de som que estava posicionado em frente ao local onde ocorreu o evento e falou para uma plateia de menos de cem pessoas.

Ainda que Bolsonaro quisesse uma filiação mais discreta, o quórum de ministros foi alto. Onyx Lorenzoni (Trabalho e Previdência) e Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional), entre outros, devem se filiar ao PL.

Ministros mais ideológicos como Damares Alves (Direitos Humanos), Braga Netto (Defesa) e Augusto Heleno (GSI) não participaram da cerimônia.

Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) também prestigiou a cerimônia no PL, mas, quando questionado sobre sua filiação, disse que "agora não". O ministro é a aposta de Bolsonaro para a disputa ao Governo de São Paulo.

"É uma esperança para o nosso querido estado de São Paulo", disse Bolsonaro no discurso. "Quero deixar bem claro que eu e Valdemar não seremos as pessoas que vão decidir tudo sozinho. Em grande parte, vai passar por vocês. Queremos compor."

Filho do presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) disse "acreditar" que deve se filiar ao PL também, mas afirmou que é preciso "conversar ainda". Mais ideológico que o irmão Flávio, o deputado foi questionado se as antigas críticas ao centrão se manteriam agora.

"O presidente tem que governar com o Congresso que tá aí. Tem uma entrevista dele em 2017 para a Jovem Pan que ele fala exatamente isso. Ele não é um ditador. O Congresso, quem escolhe não é o presidente, é a população", disse.

"Mas eu estou feliz sim de estar no PL, que é um partido grande, tem um tempo de televisão, tem uma estrutura, e está nos recebendo de braços abertos. Tem tudo para dar certo sim", completou Eduardo.

O líder do PL na Câmara, Wellington Roberto (PL-PB), diz acreditar que a bancada deve chegar a 70 deputados, até o final da Legislatura, com a entrada de Bolsonaro.

Além dos parlamentares do PSL que devem migrar com o presidente, há outros seis, segundo o deputado, que estão com processo na Justiça Eleitoral para entrar na sigla.

Flávio Bolsonaro comentou antes do evento os planos do partido para palanques regionais. Segundo ele, o cenário está encaminhado para que Tarcísio se filie e saia candidato ao Governo de São Paulo. "Ele está numa função chave do projeto de resgatar o país junto com o Bolsonaro", disse.

Flávio confirmou que Ricardo Salles, ex-ministro do Meio Ambiente, também deve sair candidato ao Senado pelo estado.

Já em Goiás, Flávio disse ser necessário ter mais conversas antes que se bata o martelo para lançar o líder do PSL na Câmara, Major Vitor Hugo (GO), ao governo, como quer uma ala de apoiadores de Bolsonaro.

Ao assinar a ficha do PL nesta terça, o chefe do Executivo encerrou uma novela partidária de idas e vindas, "casamentos", como costuma dizer, entre o partido de Valdemar e o PP de Ciro Nogueira (Casa Civil) e Arthur Lira, presidente da Câmara.

Bolsonaro chegou a dizer que estava 99% fechado com o PL, depois adiou a filiação, que ocorreria no último dia 22.

Agora, o mandatário decidiu migrar para o partido de Valdemar por acreditar que, sem isso, o PL teria mais chances de desembarcar no ano que vem e bandear para a campanha petista. Bolsonaro estava havia mais de dois anos sem partido, desde que deixou o PSL, pelo qual foi eleito.

De acordo com auxiliares palacianos, a estratégia do presidente é reeditar, ao menos em parte, o mapa de votação da última disputa, garantindo vitória no eixo Sul-Sudeste e no Centro-Oeste.

A leitura no entorno de Bolsonaro é a de que não é possível ganhar no Nordeste contra Lula, mas que o Auxílio Brasil, sucessor do Bolsa Família, e outros programas sociais, como o vale-gás, podem ajudar a diminuir a rejeição. De acordo com um aliado, a ideia é diminuir o placar de 7 a 1 para 2 a 1.

Para acertar a negociação com o PL, Bolsonaro demandou a prerrogativa de escolher candidatos em estados-chave e de vetar alianças com partidos de esquerda.

As principais divergências se deram a respeito de São Paulo, onde o partido estava apalavrado com o PSDB para apoiar Rodrigo Garcia, vice-governador e pré-candidato ao governo em 2022.

Auxiliares do presidente chegaram a fazer um movimento para que Garcia pudesse ser candidato de Bolsonaro no estado, mas isso só seria possível se João Doria não tivesse ganhado as prévias do partido. De toda forma, a negociação não foi adiante.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos