Bolsonaro se reúne com empresários alvos da PF para financiamento de campanha

Presidente Jair Bolsonaro participou de almoço com empresários, políticos e ruralistas no fim de semana (Foto: FILIPE ARAUJO/AFP via Getty Images)
Presidente Jair Bolsonaro participou de almoço com empresários, políticos e ruralistas no fim de semana (Foto: FILIPE ARAUJO/AFP via Getty Images)

Resumo da notícia

  • Presidente Jair Bolsonaro participou de almoço para arrecadação de fundos de campanha

  • Entre os presentes, estavam investigados em operações da Polícia Federal

  • Estiveram no almoço empresários, políticos, ruralistas e lobistas

O presidente Jair Bolsonaro (PL) esteve em um encontro com empresários, políticos, ruralistas e lobistas para arrecadas fundos para financiar a campanha à reeleição. Segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo, entre os presentes, estavam investigados nas operações Sanguessuga e Desolata, da Polícia Federal.

Segundo o jornal, um dos organizadores do evento foi o ex-senador Cidinho Santos (União Brasil). O almoço aconteceu durante o fim de semana, na Península dos Ministros, em Brasília. O convite teria sido feito em um grupo de Whatsapp.

Na mensagem, a organização informou que seria um primeiro encontro de uma série de eventos com ruralistas, com o objetivo de “pagar os custos da campanha do presidente”. De acordo com o Estadão, o convite tinha ainda um alerta de que o evento seria “discreto”, “sem divulgação de mídia”.

“O objetivo é que esse grupo se espalhe para os 27 Estados para ajudar a campanha”, dizia o texto, revelado pelo jornal.

O ex-senador Cidinho Santos, um dos organizadores do encontro, também foi alvo de uma ação da Polícia Federal: a quarta fase da Carne Fraca. Na ocasião, a PF apurava se houve pagamento de R$ 19 milhões em propina para auditores fiscais agropecuários federais. Santos afirmou, na época, que não tinha cometido qualquer irregularidade.

De acordo com o Estadão, estava no encontro também Fernando de Castro Marques, dono do laboratório União Química, empresa que fez lobby para trazer a vacina russa Sputinik, contra a covid-19, para o Brasil. O imunizante foi barrado pela Anvisa.

Ao jornal, Cidinho Santos alegou que o almoço foi uma homenagem à ministra Tereza Cristina, sem objetivo de arrecadas fundos. “O presidente não estava nem previsto para estar lá”, declarou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos