Bolsonaro sobre auxílio emergencial: ‘quem quer mais é só ir no banco e fazer empréstimo’.

·2 minuto de leitura
Brazilian President Jair Bolsonaro delivers a speech during the announcement of sponsorship of olympic sports team by the state bank Caixa Economica Federal at Planalto Palace on June 1, 2021. - Brazil's President Jair Bolsonaro said on Tuesday that, if it depends on his government, his country will host the 2021 Copa America, in a bid to reduce uncertainty over the hosting of the world's oldest national team tournament. (Photo by EVARISTO SA / AFP) (Photo by EVARISTO SA/AFP via Getty Images)
Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images
  • Presidente deu declarações para apoiadores nesta terça-feira, no Palácio da Alvorada

  • Afirmou também que houve diminuição na pobreza e que não tem culpa na alta de desemprego

  • O presidente afirmou não ter autoridade para gerir a crise da pandemia

Em encontro com apoiadores no Palácio da Alvorada nesta terça-feira (1), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que a pobreza diminui no Brasil por conta do auxílio emergencial. Ele também dirigiu críticas aos pedidos de novos pagamentos.

“Só dois países da América Latina diminuíram a pobreza, nós e o Panamá, se não me engano. Você não vai ver isso em lugar nenhum da imprensa. Qual país do mundo fez projeto como o nosso, que foi o auxílio emergencial? Gastamos em 2020 o equivalente a 10 vezes o Bolsa Família. E tem gente criticando ainda, falando que quer mais”, declarou.

Leia também

Sobre aqueles que reivindicam a retomada do auxílio emergencial, o presidente sugeriu que procurem um banco para pegar um empréstimo.

“Como é endividamento por parte do governo, quem quer mais é só ir no banco e fazer empréstimo. Sabemos da situação difícil em que se encontra população, que perdeu empregos não por culpa do presidente”, afirmou.

É importante destacar que, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). a taxa de desemprego no trimestre móvel de janeiro a março deste ano chegou a 14,7%, a maior desde que se começou o registro em 2012. O aumento em relação ao trimestre anterior foi de 0,8%

Bolsonaro também afirmou não ter autoridade para gerir a pandemia de coronavírus no país, e aproveitou para atacar as medidas de restrição adotadas por governadores.

“Se eu tivesse autoridade sobre a questão do covid, estaria diferente o Brasil. Só vou falar isso e mais nada. Eu não fechei nada, não mandei ninguém ficar em casa e não destruí empregos”, disse.

O presidente completou dizendo que tais medidas foram implantadas de forma irresponsável: “Não existe qualquer comprovação científica de que o lockdown evita você se contaminar. Pode atrasar, contaminar até mais tarde, mas você vai fazer lockdown até quando?”.

No entanto, diversos levantamentos já apontam que o isolamento e o distanciamento social representam uma queda na taxa de mortos pela doença em locais em que foram implementados.

O chefe do Executivo aproveitou para comentar a realização da Copa América no Brasil.

“Conversei com todos os ministros interessados e, da nossa parte, positivo. O que está havendo aqui? Um movimento da Globo contrário, porque o direito de transmissão é do SBT”, afirmou Bolsonaro.