Bolsonaro sugere Tarcísio, ministro da Infraestrutura, no lugar de Doria em 2022

João de Mari
·4 minuto de leitura
Já no Palácio, aos apoiadores, Bolsonaro não citou qual cargo poderia ser ocupado pelo ministro da Infraestrutura, em São Paulo. Mas, disse que Tarcísio está fazendo
Já no Palácio, aos apoiadores, Bolsonaro não citou qual cargo poderia ser ocupado pelo ministro da Infraestrutura, em São Paulo. Mas, disse que Tarcísio está fazendo "o que pode" (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
  • O presidente Jair Bolsonaro elogiou o ministro da Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas, sugerindo que ele pode disputar as eleições em São Paulo em 2022

  • Bolsonaro não citou qual cargo poderia ser ocupado pelo ministro da Infraestrutura, em São Paulo. Mas, disse que Tarcísio está fazendo "o que pode"

  • No entanto, o presidente voltou a criticar o governador João Doria, dando a entender que a sugestão seria ao governo estadual

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) elogiou, nesta segunda-feira (26), o ministro da Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas, sugerindo que ele pode disputar as eleições em São Paulo em 2022.

"Quem sabe São Paulo adote o Tarcísio para o ano que vem", disse Bolsonaro ao ser questionado por um apoiador, que exaltava o ministro pelo asfaltamento de rodovias, em frente ao Palácio da Alvorada.

Leia também

Bolsonaro chegava de uma viagem que fez à Bahia, onde participou de um evento para inaugurar a duplicação de trecho de uma rodovia e se irritou ao ser questionado por uma jornalista sobre uma foto onde ele aparece segurando um cartaz representando um CPF com os dizeres "cancelado" — alusão ao jargão policial para mortes ou execuções.

Já no Palácio, aos apoiadores, Bolsonaro não citou qual cargo poderia ser ocupado pelo ministro da Infraestrutura, em São Paulo. Mas, disse que Tarcísio está fazendo "o que pode".

"[Ele] está fazendo o que pode, está fazendo com menos. Estamos com um probleminha no orçamento agora. Vamos dar uma mexida, recuperar alguma coisa, sem furar o teto", afirmou Bolsonaro, numa referência ao teto de gastos.

No entanto, durante a fala, o presidente voltou a criticar o governador João Doria (PSDB-SP), dando a entender que a sugestão seria ao governo estadual. “É obcecado pelo poder“, disse sobre Doria. 

Em 2022, os eleitores voltam às urnas para as escolhas de deputados estaduais e federais, governadores, senadores e presidente da República.

Tarcísio é um dos bolsonaristas mais populares

O ministro da Infraestrutura é um dos mais populares entre os militantes bolsonaristas, sendo figura quase certa nos vídeos de inagurações de obras pelo Brasil, ao lado do presidente. Geralmente, os dois causam aglomerações em meio à pandemia do coronavírus.

Ex-militar e servidor de carreira da Câmara dos Deputados, Tarcísio não tem filiação política, mas vem sendo incentivado nos bastidores a ingressar na vida partidária, de acordo com o Estadão.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O "fazedor de obras"

Tarcísio inaugurou nesta segunda (26), ao lado de Bolsonaro, um trecho de 22 quilômetros da BR-101 duplicada, na Bahia. 

O ministro é chamdo de “fazedor de obras” por Bolsonaro e tem feito a mediação com caminhoneiros. Além de atuar junto ao mercado de investimentos, nas concessões de aeroportos, portos, ferrovias e rodovias.

Após a inauguração, o ministro publicou uma foto, sob a rodovia, nas redes sociais. "Você já foi à Bahia? Se vier pela BR-101 olha o pavimento que te espera no acesso da BR-324 em direção a Alagoinhas. Resgatando no Governo Bolsonaro dívida antiga com estado", escreveu.

Possível nome para o lugar de Mourão

Com o aumento dos números de pedidos de impeachment contra Bolsonaro, o presidente começou a estudar nomes para substituir o atual vice-presidente Hamilton Mourão na chapa à reeleição em 2022. 

Em fevereiro deste ano, segundo auxiliares do presidente, o nome do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, tornou-se o favorito.

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, na ocasião, Bolsonaro buscava alguém que não tenha exercido mandato parlamentar e que não tenha uma base de apoio no Poder Legislativo, critérios que aliados do presidente avaliam que o ministro preenche.

O objetivo é evitar colocar na linha de sucessão um nome que conte com respaldo político para estimular o avanço de um processo de impeachment.

Bolsonaro quer um nome que não lhe desperte desconfiança e que tenha uma postura mais comedida, sobretudo na relação com os veículos de imprensa, tratados pelo presidente como inimigos do governo.

Mourão irrita Bolsonaro

A disposição de Mourão em responder quase que diariamente a perguntas de jornalistas, o que lhe rende espaço junto à opinião pública, irrita Bolsonaro desde o início do governo.

Bolsonaro já chegou a excluir Mourão até mesmo de reunião ministerial, encontro do qual o general costumava participar. Em caráter reservado, o presidente alegou que desconfiava que o general vazasse assuntos tratados à imprensa.

Aliados do governo defendem que Bolsonaro opte por alguém do Nordeste, onde ele apresenta os maiores índices de rejeição. Neste caso, o nome mais citado no Palácio do Planalto é o do ministro do Turismo, Gilson Machado.