Bolsonaro tenta recuperar relação com empresários em jantar nesta quarta em SP; veja os convidados

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Bolsonaro terá encontro com empresários (AP Photo/Eraldo Peres)
Bolsonaro terá encontro com empresários (AP Photo/Eraldo Peres)
  • Presidente será recebido pelo empresário Washington Cinel, dono da Gocil

  • No encontro, devem ser discutidas as reformas econômicas e a vacinação pelo setor privado

  • Bolsonaro vê o encontro como chance de retomar o diálogo no momento em que sua rejeição só cresce

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) estará em São Paulo na noite desta quarta-feira para um jantar. Ele se encontrará com empresários na tentativa de restabelecer uma relação que tem se desgastado nos últimos tempos.

Leia também

De acordo com informações do jornal Valor Econômico, um dos principais temas a ser debatido é a vacinação contra Covid-19 pelo setor privado, um pedido destes empresários, que defendem a compra de imunizantes pelas companhias. Eles também devem discutir a agenda de reformas econômicas.

Bolsonaro será recebido na casa de Washington Cinel, dono da companhia de segurança Gocil. A interlocução para que o encontro acontecesse foi feita por Flávio Rocha, da Riachuelo, com os ministros da Comunicação, Fábio Faria, e da Economia, Paulo Guedes.

Além de Cinel, estarão presentes no jantar os seguintes empresários:

  • André Esteves, do BTG;

  • Luiz Carlos Trabuco Cappi, do Bradesco;

  • Carlos Sanchez, da farmacêutica EMS;

  • João Camargo, do grupo de comunicação Alpha;

  • Cândido Pinheiro, da Hapvida;

  • Alberto Saraiva, do Habib’s;

  • Cláudio Lottenberg, do Albert Einstein.

Antes do jantar com Bolsonaro, Cinel já havia sido anfitrião de um encontro com os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP) e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM), para discutir justamente a vacinação.

Rejeição de Bolsonaro tem crescido durante a pandemia (Miguel Schincariol/Getty Images)
Rejeição de Bolsonaro tem crescido durante a pandemia (Miguel Schincariol/Getty Images)

Para Bolsonaro, a reunião desta quarta seria uma possibilidade de mostrar-se aberto ao diálogo em um momento no qual vê sua rejeição disparar nas pesquisas. Na última divulgada pela PoderData, em 1º de abril, mostrou que ela chegou a 59% dos eleitores.

Condução da pandemia

A pesquisa foi realizada no período em que o Brasil bateu sucessivos recordes de casos e de mortes por covid. O governo também teve recentemente a troca de seis ministros e a demissão dos três comandantes das Forças Armadas.