Bolsonaro usa FGTS para tentar turbinar a economia e liberações atípicas já somam R$ 123,7 bilhões

Para tentar estimular a economia e dentro de uma visão de que o FGTS não deveria ser uma poupança compulsória, e sim estar à disposição do trabalhador, o governo Bolsonaro já autorizou saques extraordinários do Fundo de Garantia num montante de pelo menos R$ 123,7 bilhões, em valores corrigidos, segundo levantamento feito pelo GLOBO.

O montante equivale a 20% do saldo total do Fundo no fim de novembro, último dado disponível.

A liberação de recursos fora das condições originalmente previstas no FGTS – como para financiar a casa própria, em caso de demissão sem justa causa ou doença grave – foi um expediente usado pela primeira vez no governo do ex-presidente Michel Temer, em 2017, como uma tentativa de estimular a economia após o impeachment de Dilma Rousseff.

Mas o presidente Jair Bolsonaro acelerou esta estratégia, lançando mão de saques extraordinários em 2019, 2020 (no auge da pandemia) e agora em 2022. Além disso, criou a modalidade do saque aniversário. Especialistas divergem sobre como deveria ser usado o Fundo, e a indústria da construção teme que falte recursos para financiar a habitação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos