Bolsonaro usa vacinados para comparar a Copa América no Brasil com a Olimpíada no Japão

·2 minuto de leitura
**ARQUIVO**BRASÍLIA, DF, 27.01.2021 - O presidente Jair Bolsonaro fala com a imprensa em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
**ARQUIVO**BRASÍLIA, DF, 27.01.2021 - O presidente Jair Bolsonaro fala com a imprensa em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Diante da pressão para que o Brasil não sedie a Copa América em meio à pandemia de Covid, o presidente Jair Bolsonaro comparou nesta segunda-feira (7) a situação do país, onde 14,3% da população recebeu duas doses de vacina, com a do Japão, que receberá as Olimpíada e tem apenas 3,4% das pessoas imunizadas.

"Japão, se eu não me engano, 3% foram vacinados pela segunda dose. E vão fazer Olimpíada. Copa América aqui não pode, quer dizer, não querem", afirmou Bolsonaro ao interagir com apoiadores pela manhã, no Palácio da Alvorada. O campeonato no Brasil tem estreia prevista para domingo (13).

O vídeo da conversa entre o mandatário e seus eleitores foi gravado e publicado em versão com cortes em um canal na internet.

Quando um dos apoiadores citou desacordo com o treinador Tite, que tem indicado lealdade aos jogadores da seleção brasileira, revoltados quanto à realização da Copa América no Brasil, Bolsonaro disse não se envolver nessas questões.

"A minha participação na Copa América é abrir o Brasil para que ela fosse realizada aqui. Já tem os quatro estados acertados, tudo certinho. No tocante a jogador, técnico, eu estou fora dessa, não tenho nada a ver com isso aí. Tá legal?", disse Bolsonaro.

O presidente negou ter dito que não admite rebelião de jogadores e disse que "cada um tem na tua cabeça uma seleção e um técnico", mas sem dar nomes.

"Eu tenho na minha também, só que a minha eu falo para os meus amigos aqui. Nem para vocês eu falo, porque estão gravando aqui", afirmou.

Já o vice-presidente Hamilton Mourão foi mais enfático nas críticas a Tite ao conversar com jornalistas pela manhã.

Para Mourão, a discussão sobre a realização da Copa América no Brasil é "disfuncional", porque há outros torneios em curso no país.

"Sou do tempo em que jogador de futebol, quando era convocado para a Seleção Brasileira, era considerado uma honra. O técnico, ele não quer mais... o Cuiabá está precisando de um técnico aí, não está? Então, leva lá, sai, pede o boné. Acho que isso é uma discussão, neste momento, totalmente disfuncional", disse Mourão.

O vice-presidente afirmou ainda que considera não ser válido misturar política e futebol e lembrou que, mesmo durante a ditadura militar no Brasil (1964-1985), jogadores não se recusaram a jogar pela seleção.

"Vamos lembrar que, em outros momentos, vamos dizer assim, durante o período em que havia uma contestação maior aqui no Brasil, durante o período de governos de presidentes militares, ninguém deixou de servir à seleção brasileira. Então, bobagem isso aí", afirmou Hamilton Mourão.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos