Bolsonaro vai ao STF para impedir suspensão de redes sociais requerida pela CPI da Covid

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Presidente Jair Bolsonaro
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro recorreu na tarde desta quarta-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir uma eventual decisão do ministro da corte Alexandre de Moraes de suspendê-lo das redes sociais, requerimento feito na véspera pela CPI da Covid do Senado.

A comissão --que encerrou os trabalhos na terça-- decidiu tentar suspender o uso das contas do presidente após ele ter feito uma vinculação falsa entre a vacina contra Covid e casos de Aids. Por ora, Alexandre de Moraes não tomou qualquer decisão sobre esse pedido.

No mandado de segurança apresentado pela Advocacia-Geral da União (AGU), o presidente também quer que o STF barre o fornecimento pelas empresas das redes sociais de fornecer dados telemáticos de abril do ano passado até o atual momento ao procurador-geral da República, Augusto Aras.

Essa é a primeira reação concreta de Bolsonaro à CPI, que aprovou na véspera seu relatório final em que o aponta como o principal responsável pelos erros na condução da pandemia, que vitimou mais de 600 mil pessoas no país.

O colegiado pediu o indiciamento de Bolsonaro por 9 crimes, além de querer responsabilizar criminalmente outras 77 pessoas e duas empresas.

Mais cedo, integrantes da CPI entregaram o relatório dos trabalhos a Aras e a Moraes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos