Governo Bolsonaro vai bem porque dá sequência ao meu, diz Temer

O ex-presidente afirmou que sucesso do governo Bolsonaro se deve à continuidade de ações de seu governo. (Foto: Cesar Itiberê/PR)

O ex-presidente Michel Temer afirmou que o governo de Jair Bolsonaro (PSL) está indo bem porque tem dado sequência às ações tocadas em seu mandato. “Do jeito que as coisas vão indo, o governo vai bem, porque está dando sequência ao nosso governo”, afirmou Temer, em entrevista à BBC Brasil.

SIGA O YAHOO NOTÍCIAS NO INSTAGRAM

Entre os pontos citados pelo emedebista como continuados de seu governo pelo sucessor está, por exemplo, a reforma da Previdência, aprovada pela Câmara há semanas.

Leia também

“A Previdência Social só foi aprovada agora porque na verdade, durante dois anos, eu fiz um debate intensíssimo sobre a Previdência Social e agora acabou sendo aprovada em primeiro turno. Suponho que será aprovada em segundo turno, é importante, fundamental para o país. No passado houve muita resistência, mas esta resistência foi vencida pela campanha que nós fizemos ao longo do tempo”.

A respeito dos baixos níveis de aprovação do governo Bolsonaro, Temer afirmou que é normal essa decepção dos brasileiros. O Datafolha divulgou nesta segunda-feira (22) uma pesquisa que aponta que quatro em cada 10 brasileiros não conseguem citar uma medida que consideraram boa ou positiva do governo de Bolsonaro nos primeiros seis meses de gestão.

“É natural essa decepção. Toda vez que alguém chega ao governo, chega dando muita esperança, as pessoas esperam muito. A gente não pode pautar-se apenas pela popularidade, e convenhamos, falando de mim, se fosse pautar-me pela minha popularidade, eu não teria feito as reformas que o país precisa. A questão da popularidade não significa que o governo está bem ou está mal. O governo precisa agir, ir pra frente.”

Dos entrevistados pelo Datafolha, 39% responderam “nada” quando questionados sobre o que de melhor havia feito o presidente no período. Outros 19% não souberam responder à pergunta, totalizando 58% dos entrevistados que não sabem ou não conseguem citar medida positiva do governo.