Bolsonaro anuncia veto de recursos a filmes LGBT: "não têm cabimento"

Em sua live semanal, presidente afirmou que alguns filmes brasileiros são "dinheiro jogado fora" pois não possuem público significativo - Foto: EVARISTO SA/AFP/Getty Images

* Por Marcos Tordesillhas

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Presidente cita nominalmente quatro obras e dizem que elas "não têm bilheteria"

  • Para Bolsonaro, investimento da Ancine nos filmes é "dinheiro público jogado fora".

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (15), durante sua live semanal, que a Ancine não irá liberar verbas para alguns filmes que tentaram captar recursos públicos. Ele citou filmes com temáticas de LGBT e racismo para dizer que as obras "não têm cabimento" e não devem receber recursos da Agência Nacional do Cinema.

SIGA O YAHOO NOTÍCIAS NO INSTAGRAM

Bolsonaro disse também que, se pudesse, "degolaria as cabeças" da diretoria da Ancine. Sua ação está restrita nesse sentido porque os cargos são definidos em mandatos com duração de quatro anos.

Leia também

Ele lembrou das críticas que fez semanas atrás ao filme sobre Bruna Surfistinha, que recebeu recursos através da Ancine, e negou que sua postura seja de censura. "Não censurei nada. Quem quiser pagar... a iniciativa privada, fique à vontade. Não vamos interferir nada. Mas fomos garimpar na Ancine filmes que estavam prontos para ser captados recursos no mercado. Olha o nome de alguns! O nome e o tema", anunciou Bolsonaro, antes de começar a listar filmes de temática LGBT.

"Um filme chama 'Transversais'. Olha o tema: 'Sonhos e realizações de cinco pessoas transgêneros que moram no Ceará. Conseguimos abortar essa missão. Outro filme: 'Sexo Reverso'. 'Bárbara é questionada pelos índios sobre sexo grupal, sexo oral e sobre certas posições sexuais'. É o enredo do filme. Com dinheiro público?", questionou.

"E outra, geralmente esses filmes não têm audiência, não têm plateia, têm meia dúzia ali. Mas o dinheiro é gasto, são milhões de reais que são gastos com esse tipo de tema", criticou. "É um dinheiro jogado fora, não tem cabimento fazer um filme com esse enredo, né?", argumentou o presidente.

"Outro filme com esse tema: 'Afronte'. 'Mostrando a realidade vivida por negros, homossexuais no Distrito Federal.' Não entendi nada, confesso. A vida particular de quem quer que seja, ninguém tem nada a ver com isso, mas fazer um filme sobre negros homossexuais no DF, confesso que não dá pra entender. Mais um filme que foi pro saco", disse Bolsonaro.

Em seguida, ele atacou a Ancine e disse que se a agência não tivesse "sua cabeça toda por mandato, já tinha degolado todo mundo".

Por último, ele criticou uma obra chamada "Religare Queer". "O filme é sobre uma ex-freira lésbica!" – falou Bolsonaro, enfatizando o termo – "e daí são dez episódios. Tem a ver com 'religiões tradicionalmente homofóbicas e transfóbicas'. Tudo tem a ver... sexualidade LGBT com evangélicos, católicos, espíritas, testemunhas de Jeová, umbanda, budismo, candomblé, judaísmo, islamismo e Santo Daime", disse ele, aparentemente lendo os temas abordados na obra.

"Confesso que não entendi por que gastar dinheiro público com um filme desse, o que que vai agregar no tocante a nossa cultura, as nossas tradições. Não tô perseguindo ninguém, cada um faz o que bem entender e que vai ser feliz. Agora gastar dinheiro público para esse tipo de filme..."

Ele disse novamente que essas obras não têm bilheteria. "É dinheiro jogado fora, além de divulgar... isso realmente não tem cabimento".

Na live, Bolsonaro teve a presença do empresário e ex-lutador de jiu-jitsu Renzo Gracie, que alternou comentários como "provavelmente só metade [dos recursos captados] é gasta" nos filmes e que eles "influenciam negativamente toda uma cultura". Ele também disse que se mudou do Brasil porque estava com medo que, "se aquele governo continuasse, isso aí seria obrigatório", fazendo alusão à temática LGBT das obras. O presidente riu do comentário.

Live longa

Após a abertura dedicada à Ancine, Bolsonaro falou de vários assuntos na live, que teve mais de uma hora de duração. Ele disse lamentar a vitória do grupo de Cristina Kirchner nas primárias nas eleições argentinas – "se essa turma voltar, é ruim para nós", afirmou. "Não vou pedir voto pro [Mauricio] Macri, mas a política tá errada na Argentina", opinou.

Ele ainda anunciou que os impostos de jogos eletrônicos serão reduzidos de uma faixa de 20% a 50%, como é atualmente, para entre 16% e 40%, e comemorou o decreto que proíbe radares móveis em rodovias federais. "Lamentavelmente, o uso serviu em grande parte como caça-níquel", disse.

Bolsonaro ainda defendeu novamente seu governo na questão ambiental e criticou Noruega e Alemanha, que anunciaram nesta semana o fim dos repasses ao Fundo Amazônia – os países contribuíam com valores, respectivamente, de R$ 132 milhões e R$ 155 milhões. "Falei para a Merkel [premiê alemã] pegar essa grana e reflorestar a Alemanha. A Noruega também, manda para a Angela Merkel reflorestar a Alemanha", ironizou.

"A Noruega, com matança de baleia, não tem moral para dar exemplo para nós. Eles retiram petróleo do Polo Norte. Esse pessoal que faz campanha contra o Brasil, eles tão preocupados com as riquezas, não estão preocupados com as árvores da Amazônia", disse Bolsonaro.