Bolsonaro 'virou' em 253 cidades entre 1º e 2º turno, mas largada boa de Lula garantiu vitória

O receio da campanha de Lula de que durante o segundo turno Bolsonaro teria mais força para avançar se manifestou não só nos números totais da apuração (a decisão mais apertada desde a redemocratização) mas também no mapa final dos votos. Em 253 municípios, o atual presidente saiu atrás e protagonizou "virada" entre as votações dos dois turnos, mas o petista começou com dianteira em 60% dos 5570 municípios do Brasil e conseguiu conter um "tsunami" bolsonarista.

Lula derrota Bolsonaro: Ex-presidente é eleito para histórico 3 mandato

São Paulo: Tarcísio vence Haddad e será primeiro governador de SP não tucano eleito em 28 anos

A maior parte das cidades onde o atual presidente conseguiu avançar razoavelmente ficam justamente nos dois estados onde o campo de batalha mais se acirrou durante a última etapa da eleição: São Paulo e Minas Gerais.

Além de serem os dois maiores colégios eleitorais, esses dois estados registraram no primeiro turno um número razoável de votação para candidatos que perderam já no primeiro turno, e concentravam uma quantidade grande de votos capturáveis ao longo do segundo.

Lula conseguiu crescer um pouco na região metropolitana de São Paulo, bastante populosa, capturando 6% mais votos na capital paulista, por exemplo, mas Bolsonaro avançou mais, conquistando 8%. Em praticamente todas as cidades grandes do interior, o atual presidente cresceu mais do que o petista.

Em Minas Gerais, enquanto o ganho de Lula entre os dois turnos se limitou praticamente só a poucos votos no sul do estado e na Zona da Mata, Bolsonaro cresceu na região de Belo Horizonte e no interior, de forma maior e mais consistente. Ao todo, foram 65 cidades mineiras que Bolsonaro tinha perdido e reconquistou, em grande parte com ajuda do governador reeleito Romeu Zema, que lhe deu apoio mais explícito neste mês.

Lula ganhou Minas com 50,2% dos votos por causa de sua votação no norte do estado, que já vinha bastante ampla e cristalizada desde o 1º turno e não teve grande alteração.

A cidade onde o candidato do PL mais cresceu entre os dois turnos foi Grupiara, na região do Triângulo Mineiro, onde Bolsonaro saiu de 46% para 59%, conseguindo uma virada e ficando quase 20 pontos a frente de Lula.

A vitória apertada de Lula em Minas e no interior paulista são o que explicam, em grande parte, o resultado tão disputado na apuração de segundo turno.

Fora desses estados, Bolsonaro também conseguiu ampliar bastante sua votação no Rio Grande do Sul. Seis das dez cidades onde o atual presidente mais cresceu sua porcentagem de um turno a outro eram gaúchas, mas municípios relativamente pequenos. A cidade mais bolsonarista do Brasil foi Nova Pádua (RS), onde o presidente conseguiu 89% dos votos válidos no segundo turno.

Lula, por outro lado, conseguiu uma quantidade razoável de votos no Ceará, herdando eleitorado nos municípios onde Ciro Gomes tinha sido bem votado. Sobral foi a cidade onde a votação do petista mais cresceu proporcionalmente entre os dois turnos (14%), e nove das dez cidades onde Lula mais ganhou eleitorado são cearenses.

No nordeste, fora do Ceará, não houve grande movimentação de votos entre os dois turnos, porque a votação de Lula já se consolidou logo na primeira etapa. A cidade mais lulista do segundo turno foi Guaribas (PI), onde o candidato teve 94% dos votos.

No Centro Oeste, a força regional da outra candidata que lhe deu apoio, Simone Tebet, não lhe garantiu muitos votos. No Mato Grosso do Sul, estado da senadora, em quase todos os municípios o avanço de Bolsonaro foi maior do que o de Lula. A peemedebista parece ter legado mais votos ao petista em grandes centros urbanos nos quais tinha tido votação razoável.

Bolsonaro teve mais dificuldade para crescer em capitais, e mais facilidade em locais sensíveis à melhora circunstancial dos índices econômicos. Cidades pequenas são mais impactadas pela onda de gastos da União com benefícios e repasses de verbas que impulsionaram a busca do presidente pela reeleição.

A solidez inicial da votação de Lula em regiões metropolitanas, em grande parte, foi aquilo que ajudou o petista a deter o avanço de seu rival, ainda que o presidente também tenha conseguido avançar mais que o rival na maioria das capitais.