Bolsonaro volta a contrariar pesquisas e diz que ganhará a eleição no 1º turno

Em agenda em Santos, Bolsonaro afirmou que, ao contrário do que as pesquisas eleitorais mostram, ele vencerá a eleição presidencial em 1º turno. (Foto: REUTERS/Carla Carniel)
Em agenda em Santos, Bolsonaro afirmou que, ao contrário do que as pesquisas eleitorais mostram, ele vencerá a eleição presidencial em 1º turno. (Foto: REUTERS/Carla Carniel)

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a afirmar nesta quarta-feira (29) que vai ser reeleito ainda no 1º turno. Não é a primeira vez que o mandatário faz a declaração, que contraria todas as pesquisas realizadas desde o início das campanhas.

"Após a reeleição, tudo vai melhorar", disse, em um comício em Santos, no litoral paulista.

No evento, o mandatário se referiu ao principal adversário, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como o “maior ladrão da história” e ao vice dele, Geraldo Alckmin (PSB), como “ladrão de merendas”. Bolsonaro apontou que os dois querem ser eleitos para “voltar à cena do crime”.

"Mas não voltam, porque vamos ganhar no primeiro turno", disse, sob aplausos de apoiadores. Informação são da Folha de S.Paulo.

Segundo pesquisa PoderData divulgada nesta quarta (28), Lula tem 48% das intenções de votos válidos, e Bolsonaro, 38%.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

A projeção de votos válidos não considera os votos brancos e nulos. Se um candidato receber 50% + 1 dos votos válidos, ele vence no primeiro turno, que está marcado para 2 de outubro.

Em relação à pesquisa anterior, publicada há uma semana, Lula oscilou dois pontos para cima e Bolsonaro, um ponto para baixo.

O instituto ouviu 4.500 pessoas por telefone entre 25 e 27 de setembro. A margem de erro é de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. O levantamento tem 95% de confiança.

A pesquisa foi realizada com recursos da empresa PoderData, do grupo Poder360 Jornalismo, e registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-01426/2022.

Simulação do mesmo instituto lançado no dia 17 de agosto, logo após o início oficial da campanha, mostrava o petista com 44% das intenções, contra 37% do atual governante.