Bolsonaro volta a criticar sistema eleitoral e diz que eleições no Chile, em papel, são exemplo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Jair Bolsonaro
    38.º presidente do Brasil

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro voltou a levantar suspeitas sobre o processo eleitoral brasileiro nesta quinta-feira, na sua live semanal, depois de usar as eleições no Chile, realizadas em papel, como exemplo.

Segundo Bolsonaro, no país em que o candidato de esquerda Gabriel Boric venceu as eleições, "quem ganhou, ganhou de verdade" e não há porque levantar suspeitas sobre o pleito.

"Dá margem zero para desconfiar", disse Bolsonaro. "É isso que queremos no Brasil: eleições limpas, democráticas e auditáveis."

O presidente havia parado de atacar as urnas eletrônicas desde setembro, e usava como justificativa o fato de que militares foram chamados para acompanhar o processo de certificação das urnas.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) inclusive nomeou o ex-ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva como seu diretor-geral para as próximas eleições.

Bolsonaro ainda reclamou do que chama de interferências indevidas de "outro poder" no Executivo e "ataques a pessoas de bem". Também renovou as críticas ao que considera cerceamento da liberdade de expressão, citando a desmonetização de páginas de blogueiros bolsonaristas.

"São o tempo todo interferências indevidas no Poder Executivo", disse.

"Podíamos estar muito melhor se não tivesse algumas pessoas nos atrapalhando."

(Reportagem de Lisandra Paraguassu)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos