Bolsonaro volta a dizer que indigenista e jornalista britânico desaparecidos na Amazônia estavam em 'aventura'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente Jair Bolsonaro voltou a dizer nesta quinta-feira que o indigenista Bruno Araújo Pereira e o jornalista britânico Dom Phillips, que estão desaparecidos na Amazônia, estavam em uma "aventura". A dupla foi vista pela última vez no domingo, no Vale do Javari.

Acompanhe: Siga as últimas notícias da busca pelo indigenista Bruno Pereira e pelo jornalista Dom Phillips

Entenda: Após ser exonerado de cargo no governo Bolsonaro, indigenista desaparecido pediu licença da Funai e atuava com ONG

Trabalho: Jornalista desaparecido fazia viagem para o seu livro 'Como salvar a Amazônia?'

— Não tenho notícia do paradeiro deles. A gente pede a Deus que sejam encontrados vivos, mas sabemos que a cada dia que passa essas chances diminuem — disse Bolsonaro pouco antes de uma reunião bilateral prevista com seu homólogo americano, Joe Biden, às margens da Cúpula das Américas em Los Angeles. — Eles entraram numa área... não participou a Funai, tem protocolos a serem seguidos. Naquela região você geralmente anda escoltado. Foram para uma aventura, a gente lamenta pelo pior.

Dois dias antes, na terça, Bolsonaro disse que os dois estavam em "uma aventura que não é recomendável que se faça".

— Realmente duas pessoas apenas em um barco, em uma região daquela, completamente selvagem, é uma aventura que não é recomendável que se faça. Tudo pode acontecer. Pode ser um acidente, pode ser que tenham sido executados. A gente espera e pede a Deus que sejam encontrados brevemente. As Forças Armadas estão trabalhando com muito afinco na região — afirmou o presidente na ocasião.

Nesta quinta, Bolsonaro também disse que as Forças Armadas e a Polícia Federal estavam envolvidas nas buscas, acrescentando que quase 300 pessoas participam do procedimento. O trabalho de resgate, no entanto, vem sendo criticado por organizações e parentes dos desaparecidos pela demora e pela falta de veículos adequados.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos