Bolsonaro vota a favor em 'plebiscito' de irmãos sobre vacinar mãe

Jussara Soares e Daniel Gullino
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira que ele e os irmãos estão fazendo hoje uma espécie de plebiscito para saber se mãe, Olinda Bolsonaro, de 93 anos, será vacinada contra a Covid-19. O presidente, que frequentemente diz que não se imunizará por já ter sido contaminado, afirmou em entrevista à TV Band que votou sim pela vacina

Bolsonaro disse, equivocadamente, não há comprovação da eficácia da vacina. Os dois imunizantes que estão sendo utilizados no Brasil, contudo, tiveram a eficácia checada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Leia também:

— Eu já dei lá, votei lá sim. Com 93 anos, deixa ela ser vacinada, mesmo sendo uma vacina que ainda não está comprovada cientificamente — disse o presidente.

A Anvisa aprovou o uso emergencial de dois imunizantes: a Coronavac, produzida pelo Instituto Butatan em parceria com o laboratório chinês Sinovac, e a AstraZeneca/Oxford, importadas da Índia.

Ao longo da pandemia, o presidente tem usado a própria mãe como exemplo de pessoa que poderia morrer se pegasse o vírus. Por isso, ele disse que autorizaria que Dona Olinda usasse a cloroquina, que não tem eficácia comprovada cientificamente, como tratamento precoce.