Bolsonaro vota logo cedo em vila militar do Rio e repete ter expectativa de vitória

Presidente Jair Bolsonaro do lado de fora do local de votação no Rio de Janeiro

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) votou logo após a abertura das urnas na manhã deste domingo em uma escola dentro da Vila Militar do Rio de Janeiro, na zona oeste da cidade, e repetiu o discurso de expectativa de vitória, apesar de aparecer atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas pesquisas de intenção de voto.

“A expectativa é de vitória pelo bem do Brasil e só temos boas notícias e seremos vitoriosos, ou melhor, o Brasil será vitorioso hoje à tarde pelo bem do Brasil“, disse Bolsonaro em rápida entrevista a jornalistas após registrar seu voto.

O presidente chegou ao local de votação antes da abertura das urnas às 8h e aproveitou para ter contato com apoiadores que o aguardavam. Vestido de camisa amarela, ele votou às 8h01 e depois fez uma breve caminhada pelo entorno do local, novamente cumprimentando eleitores, muitos vestidos com camisas do Brasil ou de verde e amarelo.

Mais tarde, Bolsonaro deve se dirigir ao aeroporto do Galeão para receber o time do Flamengo, que na véspera conquistou o título da Copa Libertadores no Equador.

A eleição presidencial deste ano chega ao fim com a votação deste domingo deixando para trás um país profundamente dividido e um clima de apreensão que se estenderá mesmo após o fechamento das urnas e a definição de quem governará o Brasil a partir de 1º de janeiro de 2023: Bolsonaro ou Lula.

Pesquisas de intenção de voto divulgadas no sábado mostraram Lula com uma vantagem numérica de 2 a 8 pontos nos chamados votos válidos horas antes da abertura das mais de 472 mil seções eleitorais para os mais de 156 milhões de eleitores aptos a votar. As urnas serão fechadas em todo país às 17h (horário de Brasília).

Levantamento do Ipec, por exemplo, apontou o petista com 54% dos votos válidos contra 46% do candidato à reeleição. Já o Datafolha apontou o placar de 52% a 48%, com a vantagem do petista no limite da margem de erro da sondagem, de 2 pontos percentuais.