Bolzan defende Renato e admite "vazio" no futebol gremista, após saída do técnico

·2 min de leitura
Romildo Bolzan Jr. tem mandato até dezembro de 2022. Foto: Fernando Alves/AGIF (Fernando Alves/AGIF)

O Grêmio joga seu último suspiro na Série A contra o Corinthians, neste domingo. O tricolor precisa vencer para chegar vivo na última rodada. Uma derrota rebaixa o time, pela terceira vez. O Grêmio tem 39 pontos, na 18ª posição.

O blog perguntou ao presidente Romildo Bolzan Jr., se a saída de Renato deixou um "vazio" no vestiário, com o elenco criando um comando paralelo, internamente.

"Houve um vazio no vestiário porque foram quase cinco anos de uma forma de condução. Ninguém trabalha cinco anos, sai, e acha que tudo vai ficar da mesma forma. Não fica e esse diagnóstico está correto. Não diria que os jogadores tomaram conta do vestiário. São jogadores profissionais, experientes, que querem resolver essa situação. O plantel foi montado pelo Renato e não houve adaptação aos outros treinadores. Tudo isso é verdadeiro. Agora, dizer que houve um vazio por fragilidade política e do futebol, acho que não. Todo mundo é maduro, maior e vacinado. Não vejo jogador dando tiro no pé por isso", afirmou, em entrevista exclusiva à Rádio Bandeirantes, com a presença do blog.

Bolzan espera um confronto duríssimo na Neo Química Arena, decidido na bola.

"Vai ser um jogo forte, emocionante, competitivo e muito estratégico. Quem sair atrás, terá muitas dificuldades de recuperação pelo estado emocional que fica. Para nós, é a partida decisiva", admitiu.

Bolzan ainda defendeu Renato, defenestrado do Flamengo, após as perdas dos títulos da Copa do Brasil e Libertadores da América.

"Quando tu chegas num nível de exigência, com o plantel que o Flamengo tem e o Grêmio tinha e tem, tu sempre queres o melhor, com outro patamar. Renato ainda disputou conosco uma final de Copa do Brasil, neste ano. A decepção está porque se esperava muito mais. Mas um treinador com esse cartel, merece respeito. Não ganhou, mas disputou tudo. Ou acham que vai ganhar sempre? Renato, nos últimos seis anos, sempre foi um treinador de chegada", defendeu Bolzan.

Se o Grêmio cair novamente, muitos acham que será uma tragédia tricolor. Bolzan admite que está angustiado com essa situação.

"Não é o fim do mundo, porque o Grêmio tem enorme estrutura para se recuperar. Pelo meu sentimento, é angustiante, triste, trágico, decepcionante e vergonhoso se acontecer. Um rebaixamento seria um momento muito triste na história do Grêmio", concluiu.

Bolzan tem mais um ano de mandato, até dezembro de 2022.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos