Bomba no DF: Preso pesquisou dinamite para comprar na Shopee

Bolsonarista George Washington admitiu ter criado bomba para explodir aeroporto

Equipe antibomba da Polícia Federal trabalhando para desarmar explosivo caseiro. Para planejar o atentado, homem preso pesquisou por dinamite em app de compras. (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Equipe antibomba da Polícia Federal trabalhando para desarmar explosivo caseiro. Para planejar o atentado, homem preso pesquisou por dinamite em app de compras. (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
  • Preso por planejar atentado com bomba no Aeroporto de Brasília pesquisou sobre dinamites na Shopee;

  • Informação consta no histórico de pesquisas do bolsonarista George Washington de Oliveira Sousa;

  • Ele admitiu ter construído o explosivo e foi preso; outras duas pessoas foram indiciadas.

A Polícia Civil do Distrito Federal identificou que o bolsonarista George Washington de Oliveira Sousa, preso por planejar um atentado com bomba no Aeroporto Internacional de Brasília, pesquisou sobre dinamites na internet – incluindo no site da Shopee.

A loja digital, conhecida pela variedade de produtos à venda, aparece no histórico de pesquisas feitas por George na internet. A lista consta em relatório da polícia.

No celular do criminoso, também aparecem pesquisas por matérias jornalísticas relacionadas aos explosivos encontrados no aeroporto no dia 24 de dezembro, véspera de Natal. Ele ainda tentou contato com Alan Diego dos Santos, que participou do plano de atentado, logo após a descoberta das bombas e no dia 12 de dezembro, quando bolsonaristas extremistas tentaram invadir a sede da Polícia Federal em Brasília.

Explosivo caseiro

George admitiu ter construído a bomba colocada dentro de um caminhão de combustível na via que dá acesso ao aeroporto. Alan dos Santos foi indiciado por participar do plano, bem como Wellington Macedo.

Segundo fontes da corporação, o motorista do veículo percebeu que uma caixa com o explosivo havia sido colocada no interior do caminhão e decidiu acionar a PM. No local, foi encontrada uma pequena dinamite com temporizador, que estava com um pouco de emulsão e substância explosiva.

Investigações apontam que o objetivo era impedir a posse do presidente Lula (PT), realizada em 1º de janeiro. A segurança do petista era um dos fatores que mais preocupavam sua equipe. O comando do atentado estava sob a responsabilidade de pessoas acampadas no QG do Exército em Brasília, que também planejavam explodir uma estação de energia em Taguatinga.