Bombardeios em reduto jihadista na Síria matam 12 civis

Veículo destruído após ataque na cidade síria de Kafranbel, na área da província de Idleb sob controle dos rebeldes e jihadistas, em 20 de maio de 2019

Ao menos 12 civis morreram nesta quarta-feira em ataques aéreos contra o último reduto jihadista na Síria, na região noroeste do país, enquanto prosseguiam os intensos combates entre islamitas e as forças do regime.

De acordo com a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), os 12 civis morreram em ataques durante a noite contra a cidade de Maaret Al Numan.

O OSDH, que tem uma ampla rede de fontes no país, também citou 18 feridos nos bombardeios.

O ataque teve como alvo um mercado da região. A ONG não estava em condições de afirmar se os bombardeios foram executados pela aviação russa ou síria.

A Rússia, aliada do regime de Bashar al-Assad, atua na Síria desde 2015 e participa desde abril nos ataques contra a província de Idleb e seus arredores, que não estão sob controle de Damasco.

Província dominada por jihadistas do Hayat Tahrir Al Sham (HTS, ex-braço da Al-Qaeda), Idleb, último reduto jihadista, foi objeto de um acordo entre Moscou e Ancara em uma "zona desmilitarizada" para evitar uma grande ofensiva.

Mas desde o fim de abril, as forças do regime sírio e da Rússia intensificaram os ataques aéreos contra alguns setores sob controle do HTS em Idleb e na província vizinha de Hama.

Ao menos 180 civis morreram desde 30 de abril em consequência dos confrontos, de acordo com o OSDH.

A guerra na Síria, iniciada em 2011, provocou mais de 370.000 mortes e a fuga de milhões de pessoas.