Bombeiros vistoriam Sambódromo e teste de som da Mangueira fica mais perto de ser confirmado

Felipe Grinberg

O Corpo de Bombeiros realizou nesta quarta-feira uma vistoria no Sambódromo para avaliar se a recente obra no local foi o suficiente para cumprir diversas exigências feitas pela corporação na segurança contra incêndio e pânico. O laudo técnico liberando ou não o palco do carnaval deve ser entregue à Justiça.

Segundo a corporação "questões pontuais de sinalização e iluminação de emergência estão próximas da conclusão", mas há pendencia de alguns documentos, como as Anotações de Responsabilidade Técnica (ARTs) de instalações elétricas e estruturas. A documentação deve ser entregue pela prefeitura ainda nesta quarta.

Está marcada uma nova audiência para a próxima segunda-feira. Porém, a Liesa torce para conseguir o laudo da liberação da Sapucaí antes disso. A um pouco mais de uma semana para os desfiles, a Liga possui somente o próximo domingo disponível para realizar o teste de som com a Mangueira, escola campeã de 2019.

Interditado há quase um ano, o Sambódromo está mais perto de conseguir o alvará definitivo para funcionamento. Se tudo estiver certo, a Passarela do Samba, que funciona sem o aval da corporação desde que foi inaugurada, em 1984, estará finalmente legalizada, às vésperas do carnaval.

No ano passado, promotores pediram a interdição da Marquês de Sapucaí, condicionando sua liberação à vistoria dos bombeiros e à assinatura de um Termo de Responsabilidade no qual Riotur e Liesa devem garantir que o Sambódromo apresente condições suficientes de segurança.

Ainda faltam alguns retoques na parte elétrica, mas a reforma estrutural já foi concluída. Os setores 1, 12 e 13 perderam, cada um, cerca de 30% dos assentos após a construção de 1.150 degraus nas arquibancadas. A obra, de R$ 8,1 milhões, foi custeada pelo Ministério do Turismo.

Durante vistoria no Sambódromo realizada na manhã desta terça-feira, o prefeito do Rio, Marcelo Crivella, disse que acompanhará o carnaval da cidade do Centro de Operações do Rio (COR), ao lado do secretário municipal de Envelhecimento Saudável, Qualidade de Vida e Eventos, Felipe Michel, por falta de samba no pé.

— Vou estar aqui no COR, só não posso vir sambar porque não sei sambar. Mas estarei aqui atento, sempre. O secretário Felipe Michel já me convocou, para estarmos lá em qualquer emergência — afirmou o prefeito.

Crivella afirmou que quem acompanhará a festa de perto será o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, que esteve a vistoria nesta terça-feira, junto com o presidente da Riotur, Marcelo Alves.

— O ministro virá, ele é pé de valsa, e já falou comigo que estará aqui representando todo o Governo — explicou o prefeito.

Na visita às instalações do Sambódromo, foram apresentadas as obras e os novos equipamentos: 89 quadros elétricos e 500 refletores.

As reformas ainda incluem 36 mil metros de arquibancadas reformas e pintadas, com alterações também nas escadas para fácil acesso, e a duplicação das vias de escape em caso de incêndio. As reformas foram custeadas pelo Ministério do Turismo, com incentivo de R$ 8,1 milhões. Agora, é esperada a visita do Corpo de Bombeiros, prevista para esta quarta-feira, para o alvará. As intervenções acabaram atrasando o calendário de ensaios técnicos.

— Tenho certeza de que quando os bombeiros vierem fazer a vistoria vão ficar orgulhosos — afirmou Crivella. — Fizemos uma obra de 40 dias trabalhando sábado e domingo. Sacrificamos um pouco o calendário dos ensaios técnicos em favor da segurança. Agora as pessoas que vierem para cá terão conformo e segurança que não tínhamos. O técnico da Rioluz que estava nos mostrando o antigo quadro de luz disse que era de 1984. Tivemos atraso, porém compensado com conforto e segurança.